534kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

JSD compara Nogueira a Estaline e Brandão Rodrigues a marioneta

Este artigo tem mais de 5 anos

Nova polémica a envolver um cartaz da JSD. Os jovens sociais-democratas decidiram retratar Mário Nogueira como Estaline e Tiago Brandão Rodrigues como uma marioneta. Imagem está a dar que falar.

"Isto Stalin(do) está", foi o lema que a JSD escolheu para compor a imagem
i

"Isto Stalin(do) está", foi o lema que a JSD escolheu para compor a imagem

D.R.

"Isto Stalin(do) está", foi o lema que a JSD escolheu para compor a imagem

D.R.

Mais um cartaz polémico da Juventude Social-Democrata (JSD). Numa imagem partilhada na página oficial da juventude partidária, o líder da Fenprof, Mário Nogueira, surge retratado como Estaline, antigo líder da União Soviética. Em segundo plano aparece o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, apresentado como uma marioneta ao serviço do líder sindical. A acompanhar a imagem dos dois, pode ler-se o trocadilho escrito em letras garrafais: “Isto Stalin(do) está”.

No comunicado que acompanha a imagem disponibilizada esta segunda-feira, a JSD refere-se várias vezes ao atual Governo como “protocomunista” e acusa-o de estar a “mentir”. Sobre Mário Nogueira, a JSD diz que o dirigente sindical está desfasado da realidade que se vive nas escolas.

JSDCartaz3

A JSD considera que Portugal deve desenvolver o melhor modelo educativo para cada criança e jovem português. E o melhor modelo não é o que agrade mais ao comunista Mário Nogueira, que há muitos anos que não sabe o que é dar aulas; o melhor modelo não é o que mais agrade aos presidentes de câmara, ao ministro da Educação, aos diretores dos colégios ou a qualquer outro interveniente nesta polémica. O melhor modelo é aquele que prepare melhor as crianças e jovens portugueses”, pode ler-se no comunicado da JSD.

A JSD acusa ainda o Governo de estar a mentir em relação aos custos envolvidos no fim dos contratos de associação celebrados com os colégios privados. “Quantos milhões mais custará rasgar os contratos de associação que o Governo decidiu incumprir? Nunca é demais relembrar a este Governo protocomunista que os fundos públicos não são um saco sem fundo (…) Era muito importante que o Governo parasse de mentir aos portugueses”, escreve a JSD.

Para a JSD só há sobreposição de oferta quando existem professores contratados nas escolas (que representam a maioria dos custos) sem ocupação. Uma sala vazia não significa necessariamente uma duplicação de financiamento. Aliás, gostaríamos também de saber o que justifica a despesa na construção de escolas novas onde já existiam escolas com contrato de associação, mas, atendendo ao papel do Partido Socialista no festival da Parque Escolar e a sua relação com empresas de construção, a justificação parece estar implícita”, critica ainda a JSD.

Em novembro de 2015, a JSD já se tinha estreado em cartazes polémicos. Na época, decidiu partilhar uma imagem em que António Costa, Catarina Martins e Jerónimo de Sousa, os responsáveis pela queda do Governo PSD/CDS, surgiam acompanhados de uma bandeira vermelha com a foice e o martelo sobre o Reichstag (Parlamento alemão). O problema? A montagem partia de uma imagem histórica do século XX que ficou imortalizada por representar a derrota de Hitler e do nazismo.

Cartaz JSD2

Depois de ser alvo de uma intensa chuva de críticas (e de muita paródia), a JSD veio-se retratar. Num comunicado enviado às redações, os jovens sociais-democratas explicaram que não quiseram, “logicamente”, fazer “qualquer alusão ao modelo nacional-socialista ou nazi”. E reforçaram: “Ao contrário de outras forças partidárias, que agora querem governo o país sem o voto do povo (aquele “que mais ordena”), esta estrutura nega simpatia por um qualquer regime extremista e ditatorial, seja ele nazi, norte-coreano ou outro que tal”. Mas os estragos já estavam feitos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.