A direção da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) aprovou esta segunda-feira a criação de um Departamento de Integridade Desportiva (DID), para combater as apostas ilegais e os resultados combinados, anunciou o organismo.

Em comunicado, a LPFP esclarece que, “em parceria com diversas instituições nacionais e internacionais, do foro desportivo, policial e político, o DID hoje aprovado pretende garantir troca de informações que aumente a possibilidade de deteção e monitorização das principais ameaças que afetam o Futebol Profissional, entre as quais o ‘match-fixing’ [viciação de resultados] e as apostas suspeitas”.

Nesse âmbito, o presidente da Liga, Pedro Proença, recebeu na sede da LPFP, no Porto, o presidente executivo para a América Latina e Europa do ICSS (Associação Internacional de Segurança no Desporto), Emanuel Medeiros, e um outro diretor do mesmo organismo, Diogo Guia, numa reunião que “visou afinar em detalhe um futuro acordo a celebrar entre os dois organismos”.

Esta decisão da direção da Liga surge depois de ter sido conhecida a denominada operação ‘Jogo Duplo’, em que foram constituídas arguidas 15 pessoas, entre jogadores, treinadores, dirigentes e empresários, presentes na terça-feira passada o primeiro interrogatório judicial.

Apenas três ficaram detidos, o avançado brasileiro do Oriental Diego Tavares, Carlos Daniel ‘Aranha’, elemento ligado à claque do FC Porto SuperDragões e ainda Gustavo Oliveira.