Rádio Observador

Porto de Lisboa

Empresa de conservas troca porto de Lisboa por estabilidade de porto espanhol

5.639

Uma empresa de conservas de peixe, sediada em Vila do Conde, passou a utilizar o porto de mercadorias de Vigo, depois de acumular prejuízos devido à greve dos estivadores..

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autores
  • Agência Lusa
  • Tiago Palma

Uma empresa de conservas de peixe, sediada em Vila do Conde, passou a utilizar o porto de mercadorias da cidade espanhola de Vigo, depois de acumular prejuízos devido à greve dos estivadores no porto de Lisboa.

No passado mês de abril, a Gencoal ficou com três contentores carregados de salmão, oriundos do Chile, retidos no porto de Lisboa, algo que, além de causar prejuízos operacionais na ordem dos 8 mil euros, fez com que a empresa se atrasasse nas entregas aos clientes.

Perante este cenário, a empresa, cuja produção é totalmente para exportação, teve de redefinir a sua estratégia e não hesitou em passar usar os serviços do porto de Vigo, no norte de Espanha, considerando que passou a ter “maior estabilidade”.

“É um porto que trabalha bastante bem e em que não vou ter surpresas, e se as tiver certamente serão resolvidas mais rapidamente. Aqui em Portugal é para esquecer, a minha empresa e os meus funcionários não podem passar por isto, tenho de pagar salários no final do mês”, partilhou à Lusa Manuela Gilman, diretora geral da empresa.

Para a gestora, as diferenças de custos entre os serviços do porto de Lisboa e o de Vigo “não são significativos”, lembrando que o porto espanhol “até fica bem mais perto de Vila do Conde”, não hesitando em afirmar “será, a partir de agora, o porto de eleição”.

Questionada pela razão de não ter optado, por exemplo, pelo porto de mercadorias de Leixões, bem mais perto sede da empresa, Manuela Gilman lembrou que “nem todas as companhias de navegação descarregam em Leixões” e que em Vigo, “além de ser um porto maior, não existe uma restrição tão grande com as empresas de navegação com que podemos trabalhar”.

A empresária partilhou, ainda, que no recente incidente com o porto de Lisboa ficou com 650 mil euros de mercadorias retidas em três contentores durante 15 dias, e que apesar de a matéria-prima não se ter estragado, causou prejuízos que ainda estão ser contabilizados.

“Tivemos uma linha de produção, com cerca de 40 pessoas, parada, com todos os prejuízos inerentes ao não cumprimento de contratos com clientes e ao facto de ter as pessoas a não desempenharem as funções”, partilhou.

“Ainda estamos a contabilizar os custos do não cumprimento dos contratos de entrega com os clientes, mas só de imobilização dos contentores foram 8 mil euros”, completou Manuela Gilman.

Sendo toda a produção de conservas de peixe de Gencoal para exportação, a empresária afirmou que os clientes estrangeiros tiveram dificuldade em compreender o que se está a passar nos portos nacionais.

“Acharam muito estranho que um porto essencial à vida económica de um país, como é o de Lisboa, não esteja a funcionar há tanto tempo devido a greves sucessivas”, desabafou.

A empresária reconhece que os “trabalhadores têm direto à greve”, mas disse “não compreender a razão de os serviços mínimos não terem sido realmente efetuados”.

“Em outras greves podia haver um atraso de dois ou três dias na entrega dos contentores, mas os serviços mínimos funcionavam. Desta vez, e apesar dos nossos pedidos ao Governo, nada funcionou”, apontou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estivadores

Uma certa esquerda

Marina Santos
235

No Porto de Lisboa um navio que deveria descarregar e carregar contentores em horas demorou quatro dias – e cada dia custa milhares de euros. E quando um armador perde dinheiro deixa de usar tal porto

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)