Mais de metade dos desempregados em Portugal (61,1%) continuou sem trabalho no quarto trimestre de 2015, um número abaixo da média da União Europeia (UE 64,0%), e 21,7% tinham conseguido emprego (UE 17,7%), divulga esta quarta-feira o Eurostat.

Segundo os dados do gabinete oficial de estatísticas da União Europeia (UE) sobre o fluxo no mercado de trabalho no quarto trimestre de 2015, houve ainda 17,2% de portugueses que transitaram para uma situação de inatividade económica (18,4% na UE).

A Grécia (94,8%) está no topo da lista dos países em que mais pessoas permaneceram desempregadas, seguindo-se a Croácia (85,8%), a Eslováquia (84,3%), a Bulgária (77,6%) e a Lituânia (77,4%), enquanto a Dinamarca (45,9%), a Itália (49,9%), a Finlândia (52,5%), e a Suécia (53,3%) apresentaram as taxas mais baixas.

Face a 2014, a proporção de pessoas que reentraram no mercado de trabalho em Portugal aumentou 2,8 pontos percentuais (pp) no período entre outubro e dezembro de 2015 (UE 1,5 pp), enquanto a de desempregados que permaneceram nessa situação diminuiu 3,7 pontos percentuais (UE -2,8 pp).