O pecado mora ao lado. Ou, neste caso, mesmo em frente à Torre e à Igreja dos Clérigos, no Porto. Foi lá que nasceu um bar que une duas tentações: a ganância e a gula (como variação da sede). No Stox Club, há vários ecrãs com os preços da cerveja, do vinho e dos cocktails, que vão subindo e descendo como se de uma bolsa de valores se tratasse. Dificilmente algum cliente vai enriquecer, mas quem for esperto pode poupar uns euros no final da noite (e até ganhar algum dinheiro à custa dos amigos).

Quem estudou na Faculdade de Economia do Porto conhece o conceito de pedir bebidas num bar a preços diferentes. Nas festas da FEP Street, à medida que a noite avança a cerveja vai ficando mais cara ou mais barata. Quando o preço está baixo, os estudantes correm para o bar para comprar “ações”, ou seja, senhas. Quando sobe, estes autênticos lobos de FEP Street lucram com a venda dessas senhas a colegas mais distraídos, que, ainda assim, preferem adquiri-las no mercado secundário do que ir comprar a cerveja no bar ao preço atualizado. Até que os preços voltam a descer e os negócios recomeçam.

Ricardo Graça Moura, ex-gestor de turismo da SONAE e sócio do restaurante Flow, não estudou na FEP nem conhecia o conceito. Mas há anos que anda a maturar esta ideia para um bar. No dia 14 de abril abriu, em regime de soft opening, o Stox Club no Passeio dos Clérigos, juntamente com Ricardo Campos Costa, dono do restaurante Clérigos, e Tiago Pinto Leite, que nos últimos 30 anos já foi proprietário de discotecas e bares como o Twins Foz ou o Chic.

10 stox club

Na parede do lado esquerdo, Nova Iorque. Do lado direito, os Clérigos. No meio está a virtude, ou seja, os ecrãs que mostram os preços das bebidas a variar como numa bolsa de valores. (foto: © Divulgação)

No início da noite, os ecrãs espalhados pela sala mostram algumas bebidas ao seu “market price”. O que, traduzido do “economês” quer dizer o preço médio em relação ao que está marcado na carta, explica ao Observador Ricardo Graça Moura. A partir daí, vão aumentando ou diminuindo consoante o desenrolar da noite. Há um preço máximo e um preço mínimo estabelecido, para que nem clientes, nem proprietários, acabem na falência.

Um gin, por exemplo, tanto pode custar 8€ como 4,50€. Uma cerveja pode ser comprada por 3€ e, logo a seguir, por metade. Os cinco vinhos a copo podem ser adquiridos no bar por 4€, por 3€ ou, no mínimo, por 2€. É preciso sorte mas, sobretudo, estar atento aos ecrãs que mostram a vermelho as bebidas cujo preço está a subir e a verde as que estão em queda.

Ao contrário do que manda a lei da oferta e da procura, no Stox Club a bebida mais popular da noite desce, enquanto os pedidos menos frequentes aumentam de preço. “O objetivo é gerar entusiasmo pela bebida mais consumida”, explica Ricardo Graça Moura. E sim, tal como se faz na bolsa, é possível comprar várias ações de uma vez. Perdão, bebidas. “Quando o preço baixa, a pessoa pode pedir uma bebida para o momento e mais três talões, por exemplo, para mais tarde. Se chegar alguém e o preço estiver mais caro, a pessoa pode vender um dos talões e até ganhar dinheiro, se quiser”, explica Tiago Pinto Leite.

stox club cocktail

Na carta também entram vários cocktails. O preço destes é que não varia.
(foto: © Sara Otto Coelho / Observador)

Nem todos os produtos da carta entram nesta original bolsa de valores. É o caso dos vinhos do Porto (7,50€) ou de cocktails como a Margarita (9€) ou o Cosmopolitan (10€). O espaço pode receber cerca de 300 pessoas, sendo que há cerca de 35 lugares sentados e serviço de mesa. Na varanda que dá para a Torre e para a Igreja cabem até 30 pessoas.

A música varia entre o jazz ao início da noite, evoluindo para o funk, o disco e o house menos comercial — David Guetta e companhia não entram aqui, avisa Tiago Pinto Leite. Numa das paredes, rostos gananciosos como o Tio Patinhas, Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio em Lobo de Wall Street) e Gordon Gekko (Michael Douglas em Wall Street – O Dinheiro Nunca Dorme) assistem a tudo.

Às sextas-feiras e sábados a entrada tem um consumo mínimo obrigatório de 5€ — um pouco mais se o porteiro não for com a cara do cliente, como em tantos outros espaços com acesso selecionado. Às quintas-feiras, existe apenas um consumo mínimo, independentemente do valor.

Depois da crise financeira, há quem tenha algum ódio à economia de casino e a Wall Street. Nada que assuste os proprietários. “Isto é uma ideia adaptada com graça, quem quiser joga na bolsa e quem quiser não joga”, esclarece Tiago Pinto Leite, divertido. A inauguração oficial está marcada para esta quarta-feira, véspera de feriado santo. Aqui, o único pecado é comprar uma bebida ao preço máximo do mercado.

Nome: Stox Club
Morada: Rua das Carmelitas, 151, Porto (Passeio dos Clérigos, ao lado do Costa Coffee)
Telefone: 22 013 1199
Horário: Quintas, sextas, sábados e vésperas de feriado das 23h às 04h
Site: www.facebook.com/StoxClub