563kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Homem matou três familiares e suicidou-se em Montemor-o-Velho

Este artigo tem mais de 5 anos

Os corpos de quatro pessoas foram encontrados já de madrugada pela GNR, que cercou o local do crime durante toda a noite. Na origem do crime poderá ter estado uma discussão sobre memórias de infância.

i

LUÍS FORRA/LUSA

LUÍS FORRA/LUSA

Um homem assassinou três familiares na quinta-feira à noite e suicidou-se já na madrugada de sexta-feira, em Faíscas, freguesia de Arazede, em Montemor-o-Velho (Coimbra). Além do homicida, Paulo da Cruz, as outras três vítimas mortais são os pais e a avó do homem.

O crime começou pelas 20h40 de quinta-feira, depois de um lanche familiar. Uma mulher que participou nessa reunião disse à SIC que não havia nada que fizesse prever este comportamento do homicida, até porque, durante o tempo em que a família esteve junta, “não houve discussão” entre ninguém.

A GNR só conseguiu entrar na habitação onde o crime ocorreu por volta das 5h desta sexta-feira. “A hipótese mais provável era a de suicídio do homicida e foi esse o cenário que encontrámos dentro da residência”, disse aos jornalistas o coronel João Seguro, da GNR de Coimbra, que foi alertada por vizinhos para o que estava a acontecer.

Pouco depois de assassinar os pais e a avó, o criminoso escreveu um post enigmático no Facebook.

Paulo da Cruz esteve emigrado no Luxemburgo e teve de regressar a Portugal depois de perder o emprego. A OGBL, citada no post, é o maior sindicato luxemburguês.

Na origem do crime, de acordo com o relato de uma testemunha que estava na casa onde ocorreram os assassinatos, terá estado uma recordação de um episódio da infância do alegado homicida. “A balbúrdia começou quando a mãe do Paulo contou que ele quando era criança degolou cinco pintainhos com uma lâmina”, disse José Gonçalves, que juntamente com a mulher e a filha de oito anos estavam a lanchar com a restante família a convite de Paulo.

“Começou então uma enorme discussão e o Paulo, depois de várias discussões com o pai e de lhe ter dado uma cabeçada, terá ido ao quarto buscar a caçadeira (com que matou a família)”, disse ainda a testemunha. José Gonçalves contou que viu Paulo disparar em direção ao pai e que aí fugiu com a mulher para a sua casa, com o objetivo de se proteger. “Depois disso não sei mais nada”, explicou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.