Rádio Observador

Porto de Lisboa

Estivadores aprovam acordo que põe fim à greve no Porto de Lisboa e regressam ao trabalho na segunda-feira

208

Após uma maratona negocial de 15 horas, estivadores e operadores portuários chegaram a acordo. A greve foi desconvocada e o despedimento coletivo não avança.

Manuel Moura/LUSA

Os estivadores aprovaram este sábado em plenário o acordo alcançado na sexta-feira à noite entre o sindicato e os operadores portuários que permite suspender o pré-aviso de greve e faz cair por terra a ameaça de despedimento coletivo.

“Nós dizemos que empatámos 2-2 porque há questões que as empresas pretendiam e que nós cedemos, fizemos aqui algum sacrifício da nossa parte para conseguir este acordo”, disse António Mariano, presidente do sindicato dos estivadores, à saída da reunião plenária. “Esta greve nunca devia ter tido estas proporções”, afirmou o dirigente, apontando o dedo às empresas que desviaram linhas para outros portos.

“Estão criadas as condições, isso é o mais importante. Havia aqui uma ameaça de despedimento coletivo, tudo isso está travado. O trabalho está aí, nós vamos continuar a trabalhar normalmente, o que queremos é trabalhar”, acrescentou António Mariano, que espera que os trabalhadores de outros portos também se mobilizem para alcançar acordos semelhantes a este.

Para o próximo dia 16 de junho está marcada uma manifestação de estivadores que o sindicato não vai desmarcar, apesar do acordo agora alcançado. Para António Mariano, esse protesto será “uma jornada de luta contra a precarização” e conta já com o apoio de “outros setores da sociedade”.

Uma maratona de discussões

Foram precisas 15 horas de negociações para que houvesse luz verde no Ministério do Mar. “É um acordo que permite que já estejam acertadas todas as cláusulas que serão vertidas no contrato coletivo de trabalho, que tem de ser feito nos próximos 15 dias”, disse a ministra Ana Paula Vitorino à saída da reunião.

O primeiro-ministro António Costa tinha dado esta sexta-feira como a data limite para que as partes em conflito no Porto de Lisboa se entendessem. Costa falou “num grande esforço negocial” que iria ser feito ao longo de toda a sexta-feira, sublinhando no entanto que havia “limites para tudo”. Se o desfecho não fosse uma “solução negociada”, teria que se encontrar uma outra via.

A reunião entre as duas partes começou às 9h da manhã de sexta-feira e só terminou perto da meia-noite.

Em declarações à SIC logo após a assinatura do acordo, Ana Paula Vitorino garantiu que era “uma boa notícia para o país” e um acordo favorável às duas partes. “Confio que ambas as partes irão cumprir o acordo aqui assinado”, disse. Mostrando-se confiante de que se trata de “um ponto final definitivo” na greve, a ministra do Mar afirmou que ficaram vertidos no acordo muitos dos pontos que “tinham sido acertados entre 7 de janeiro e 4 de abril” e que ficaram “resolvidas, de forma equilibrada, as três questões que ainda estavam em aberto”.

“Foi resolvida a questão do conflito sobre uma segunda empresa de trabalho portuário”, garantiu a ministra. “Na questão das progressões na carreira foi conseguido um ponto de equilíbrio entre a posição dos sindicatos e a posição dos operadores. E na questão das tarefas a exercer em alguns terminais também foi conseguido um equilíbrio”, informou Ana Paula Vitorino.

Mostrando-se confiante no cumprimento do acordo, a ministra reiterou que “um acordo só é bom se for bom para ambas as partes”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estivadores

Uma certa esquerda

Marina Santos
235

No Porto de Lisboa um navio que deveria descarregar e carregar contentores em horas demorou quatro dias – e cada dia custa milhares de euros. E quando um armador perde dinheiro deixa de usar tal porto

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)