532kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

A (breve) história do "Facebook" norte-coreano

Este artigo tem mais de 5 anos

Quando descobriu um clone do Facebook alojado na Coreia do Norte, um jovem escocês de 18 anos não perdeu tempo: abriu o painel de administração e adivinhou as credenciais. "Foi fácil", disse.

i

Chris Ratcliffe/Bloomberg via Getty Images

Chris Ratcliffe/Bloomberg via Getty Images

A Coreia do Norte também tem um “Facebook”. Ou melhor, tinha. Esta sexta-feira a Dyn Research, uma empresa que monitoriza globalmente a performance da internet, anunciou ter descoberto um clone da conhecida rede social alojado em servidores norte-coreanos. Bastaram poucas horas para o jovem escocês Andrew McKean, com apenas 18 anos, conseguir hackear a plataforma, conta o jornal The Telegraph.

Chamava-se Best Korea’s Social Network, ou “Rede Social da Melhor Coreia” em português, e podia ser acedida através do endereço www.starcon.net.kp. Ao saber disto, o jovem McKean terá percebido que o site usava um clone específico do Facebook. Por isso, abriu o painel de administração e escreveu “admin” no nome de utilizador e “password” no campo destinado à palavra-passe. Funcionou.

O que fez ele? Podendo controlar praticamente toda a rede social, optou por manipular a publicidade apresentada para que, em vez dos habituais anúncios, surgisse a mensagem “Uh, eu não criei este site, apenas descobri o login“. Ao ser clicada, redirecionava para o perfil do jovem escocês no Twitter. Terá depois ponderado redirecionar o endereço para uma página com propaganda contra o regime norte-coreano, disse McKean ao site Motherboard, acrescentando que a manobra “foi fácil”. Mas, entretanto, a plataforma ficou offline e continuava indisponível à hora de publicação deste artigo.

McKean partilhou no Twitter algumas capturas de ecrã do painel de administração. As imagens sugerem que a rede social terá surgido este mês, tendo menos de uma centena de utilizadores registados. Após a propagação da notícia, vários ocidentais acabaram por criar um perfil no site, surgindo também algumas contas a parodiar o líder norte-coreano Kim Jong-Un. Desconhece-se o verdadeiro proprietário da rede social, embora o endereço sugira uma eventual ligação com a Starcon, uma empresa de tecnologia sul-coreana.

De acordo com o The Telegraph, o acesso à internet no país é bastante restrito. Estima-se que, entre os 25 milhões de norte-coreanos, apenas alguns milhares tenham acesso à rede. Além disso, o YouTube, o Facebook e o Twitter encontram-se oficialmente bloqueados desde o ano passado.

Atualizado às 15h42: Os ‘tweets’ de Andrew McKean foram removidos do artigo. As opções de privacidade das mensagens foram alteradas, ou o utilizador apagou-as da rede social.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.