Beja

Beja ganha Palácio de Justiça para resolver “problema grave”, afirmou Van Dunem

A ministra da Justiça disse que o novo Palácio da Justiça vai resolver o problema das instalações de serviços judiciais espalhadas pela cidade. O novo Palácio deverá começar a ser construído em 2017.

Segunda Francisca van Dunem, a empreitada deve durar cerca de três anos

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A ministra da Justiça, Francisca van Dunem, disse esta quarta-feira que o novo Palácio de Justiça de Beja vai resolver o “problema grave” de instalações dos serviços judiciais espalhadas pela cidade, sendo a construção de raiz a única solução viável.

“Estivemos a verificar as várias hipóteses de solução para o problema, que é de facto um problema grave. Tentámos várias opções, até de outros edifícios públicos que pudessem ser utilizados para este efeito”, explicou a ministra.

Mas, continuou Francisca van Dunem, que presidiu esta quarta à cerimónia de assinatura de um protocolo com a Câmara de Beja para a construção do novo Palácio de Justiça da cidade, os serviços “chegaram à conclusão” de que esses edifícios públicos avaliados “não seriam adequados” para acolher as várias instâncias judiciais.

“Nuns casos por razões financeiras, noutros casos por inadequação dos espaços”, justificou.

Segundo a ministra, a decisão de construir um novo Palácio de Justiça em Beja, em terrenos cedidos pelo município, resultou de um trabalho de avaliação das necessidades feito pela secretária de Estado Adjunta e da Justiça, Helena Mesquita Ribeiro, que visitou as várias comarcas do país.

“Uma das grandes dificuldades que encontrou foi justamente aqui em Beja, relativamente a instalações”, afirmou, precisando que o atual tribunal “já não tem espaço de crescimento”.

Além disso, explicou, “há problemas também com o Tribunal Administrativo e Fiscal” e com o Tribunal de Trabalho, a que se soma “o problema da deslocalização”, em 2014, da secção de Família e Menores para o concelho vizinho de Ferreira do Alentejo.

“Houve esta proposta da câmara no sentido da cedência de um terreno para a construção de um Palácio de Justiça e nós, numa situação em que precisávamos de criar aqui um tribunal num espaço novo e não tendo alternativa de espaços públicos, obviamente, aderimos com entusiasmo”, argumentou.

O novo Palácio de Justiça de Beja, para albergar todos os serviços da comarca espalhados por vários edifícios, deverá começar a ser construído em 2017, depois de a câmara realizar os projetos de arquitetura e especialidades e da adjudicação das obras pelo Ministério da Justiça.

Frisando que a empreitada deve durar cerca de três anos, Francisca van Dunem escusou-se a revelar o valor do investimento, alegando que este não está ainda “totalmente calculado” e depende “do projeto de arquitetura”.

Segundo a governante, este projeto para Beja não deverá ser caso único no país, pois, “há outras situações que podem, eventualmente justificar” investimentos do género.

“Esta não será uma situação única. Desse trabalho feito pela secretária de Estado, resultou a identificação de algumas outras situações em que as hipóteses que temos em cima da mesa, do edificado já existente, podem não funcionar e, portanto, também aí avançaremos, se tivermos condições”, reforçou.

O presidente da Câmara de Beja, João Rocha (CDU), considerou “importante” a construção do novo Palácio de Justiça, que vai permitir retirar as várias instâncias judiciais das atuais instalações “em condições péssimas” e elogiou a celeridade com que este processo avançou.

“Isto foi, efetivamente, tratado de uma forma muito rápida, quer pela parte da câmara, quer pela parte do ministério, e acho que isto devia acontecer em muitas outras áreas”, defendeu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)