O antigo futebolista internacional português Luís Figo afirmou esta quarta-feira que o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, deveria deixar a gestão do futebol, lembrando que esta época os ‘dragões’ só venceram no bilhar.

“[No futebol] O FC Porto já não ganha há três anos, a única coisa que ganhou este ano foi no bilhar”, afirmou o antigo futebolista, à margem de uma ação de comemoração do Dia da Criança, promovida pela Fundação Luís Figo, na Quinta Pedagógica dos Olivais.

Luís Figo considerou que o presidente do FC Porto deveria passar a gestão do futebol: “Acho que o presidente tem que tomar decisões, a melhor decisão seria, na minha opinião dar espaço a outra pessoa para gerir o futebol, mas nessas coisas eu não me meto”.

O antigo futebolista internacional português admitiu ainda que Portugal pode chegar à final do Euro 2016, mas considerou que a seleção lusa está numa segunda linha de favoritos à conquista do título continental.

“Espero que possamos chegar à final. É lógico que é um objetivo complicado, porque todas as seleções que estão presentes têm esse sonho de poder jogar a final do Europeu, mas acho que Portugal tem como obrigação pelo menos passar a fase de grupos, é a seleção favorita. A partir daí, tudo pode acontecer”, afirmou

“Acho que Portugal está numa segunda linha de favoritismo em relação às seleções que normalmente estão habituadas a ser vencedoras. Para mim, não é a seleção favorita. Acho que, entre França, Espanha e Alemanha, que têm mais experiência, que já ganharam europeus, são as seleções favoritas”, afirmou.

O antigo futebolista considerou que o mais importante é começar bem a competição, na qual Portugal se estreia a 14 de junho, frente à Islândia, na jornada inaugural do Grupo F.

“O mais importante numa competição destas é começar o primeiro jogo com um bom resultado, para que não estejamos sempre atrás do prejuízo, e, por isso, a partir daí, tudo pode acontecer, se conseguirmos passar a primeira fase de grupos e estarmos ao melhor nível em termos físicos”, referiu

Luís Figo, que capitaneou a seleção portuguesa que perdeu com a Grécia na final do Euro2004 (1-0), garantiu ser conhecedor das dificuldades da competição, mas considerou ser essencial acreditar até ao fim.

“Eu acredito [que é possível chegar à final], mas também sei das dificuldades do percurso para chegar a uma final. É lógico que temos que estar confiantes que é possível, se não acreditarmos que é possível chegar à final era melhor nem sequer marcar presença no Europeu”, disse.

Figo, que não quis fazer comparações entre a atual seleção e equipas anteriores, considerou que Portugal “tem profissionais que jogam nos melhores clubes do mundo e um treinador fantástico”.

Depois da estreia a 14 de junho, Portugal defronta a 18 a Áustria e, quatro dias depois, a Hungria.

O Europeu de futebol, que pela primeira vez vai ser disputado por 24 seleções, decorrerá em França entre 10 de junho e 10 de julho.

As atividades de comemoração do Dia de Criança envolveram cerca de 200 crianças de diferentes instituições da zona de Lisboa.