Rádio Observador

Pinto da Costa

Luís Figo diz que Pinto da Costa deve deixar FCP: “Este ano só ganhou no bilhar”

477

Luís Figo afirmou que Pinto da Costa devia abandonar a gestão do futebol dos "Dragões". O jogador informou ainda que Portugal está numa segunda linha de favoritos à conquista do Europeu.

O antigo futebolista internacional português admitiu ainda que Portugal pode chegar à final do Euro 2016

GEORG HOCHMUTH/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O antigo futebolista internacional português Luís Figo afirmou esta quarta-feira que o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, deveria deixar a gestão do futebol, lembrando que esta época os ‘dragões’ só venceram no bilhar.

“[No futebol] O FC Porto já não ganha há três anos, a única coisa que ganhou este ano foi no bilhar”, afirmou o antigo futebolista, à margem de uma ação de comemoração do Dia da Criança, promovida pela Fundação Luís Figo, na Quinta Pedagógica dos Olivais.

Luís Figo considerou que o presidente do FC Porto deveria passar a gestão do futebol: “Acho que o presidente tem que tomar decisões, a melhor decisão seria, na minha opinião dar espaço a outra pessoa para gerir o futebol, mas nessas coisas eu não me meto”.

O antigo futebolista internacional português admitiu ainda que Portugal pode chegar à final do Euro 2016, mas considerou que a seleção lusa está numa segunda linha de favoritos à conquista do título continental.

“Espero que possamos chegar à final. É lógico que é um objetivo complicado, porque todas as seleções que estão presentes têm esse sonho de poder jogar a final do Europeu, mas acho que Portugal tem como obrigação pelo menos passar a fase de grupos, é a seleção favorita. A partir daí, tudo pode acontecer”, afirmou

“Acho que Portugal está numa segunda linha de favoritismo em relação às seleções que normalmente estão habituadas a ser vencedoras. Para mim, não é a seleção favorita. Acho que, entre França, Espanha e Alemanha, que têm mais experiência, que já ganharam europeus, são as seleções favoritas”, afirmou.

O antigo futebolista considerou que o mais importante é começar bem a competição, na qual Portugal se estreia a 14 de junho, frente à Islândia, na jornada inaugural do Grupo F.

“O mais importante numa competição destas é começar o primeiro jogo com um bom resultado, para que não estejamos sempre atrás do prejuízo, e, por isso, a partir daí, tudo pode acontecer, se conseguirmos passar a primeira fase de grupos e estarmos ao melhor nível em termos físicos”, referiu

Luís Figo, que capitaneou a seleção portuguesa que perdeu com a Grécia na final do Euro2004 (1-0), garantiu ser conhecedor das dificuldades da competição, mas considerou ser essencial acreditar até ao fim.

“Eu acredito [que é possível chegar à final], mas também sei das dificuldades do percurso para chegar a uma final. É lógico que temos que estar confiantes que é possível, se não acreditarmos que é possível chegar à final era melhor nem sequer marcar presença no Europeu”, disse.

Figo, que não quis fazer comparações entre a atual seleção e equipas anteriores, considerou que Portugal “tem profissionais que jogam nos melhores clubes do mundo e um treinador fantástico”.

Depois da estreia a 14 de junho, Portugal defronta a 18 a Áustria e, quatro dias depois, a Hungria.

O Europeu de futebol, que pela primeira vez vai ser disputado por 24 seleções, decorrerá em França entre 10 de junho e 10 de julho.

As atividades de comemoração do Dia de Criança envolveram cerca de 200 crianças de diferentes instituições da zona de Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)