O Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) foi responsável por 53% do total da receita de IRC arrecadada na região em 2015, representando 87,5 milhões de euros, de acordo com os dados da Secretaria Regional de Finanças.

“Por imposto, o IRC ascendeu a 87,5 milhões de euros, correspondentes a 53% da receita total de IRC de 2015, que ascendeu a 164,5 milhões de euros”, indicam os dados a que a Lusa teve acesso.

Este valor de 53% representa um aumento de 1,7%, relativamente a 2014, e um aumento de 11,7% de receita gerada de IRC, comparativamente a 2013.

Quanto à receita fiscal total gerada no CINM, essa “foi de 130,6 milhões de euros em 2015, correspondente a cerca de 15% da receita fiscal total cobrada nesse ano e que ascendeu a 886,8 milhões de euros”.

O Secretário Regional das Finanças, Rui Gonçalves, reconhece que os valores demonstram a importância que “o centro tem na captação de receita, ainda para mais, receita que não corresponde a esforço fiscal de contribuintes da região”.

O governante recorda que, “numa altura em que existem iniciativas de partidos políticos, mais de esquerda, que procuram deitar por terra este importante instrumento de desenvolvimento”, o centro assume importância ainda maior.

Reitera não ser “difícil perceber o problema que o próprio Estado teria se a região deixasse de receber um valor tão elevado de receita fiscal”, deixando uma pergunta: “Como é que o Estado compensaria a Madeira se tomasse alguma iniciativa para acabar com o CINM”, reconhecendo ver tal “com muita dificuldade”.

Conclui que “o mais sensato é continuar a defender o CINM”, porque a receita arrecadada “é a prova provada da importância do centro”.

De acordo com os dados da Sociedade de Desenvolvimento da Madeira (SDM), que gere o centro, “a 31 de dezembro de 2015 encontravam-se a operar no âmbito do CINM 2.016 entidades.

O capital social agregado destas sociedades perfazia um total de 4.771 milhões de euros, de acordo com a SDM.