O Brasil, com o benfiquista Jonas no ‘onze’, estreou-se com um empate a zero com o Equador na Copa América do Centenário em futebol, numa ronda de sábado com apenas um golo, em três encontros.

Em Pasadena, onde há 22 anos se sagrou tetracampeão mundial, o conjunto ‘canarinho’ até se pode dar por satisfeito com o empate, por culpa de um golo anulado aos equatorianos, já a meio da segunda parte.

Aos 66 minutos, Miler Bolaños, quase sem ângulo, conseguiu introduzir a bola na baliza brasileira, com a ajuda de um ‘frango’ de Alisson, mas um dos auxiliares do árbitro chileno Julio Bascuñán considerou que a bola já havia saído.

A polémica jogada aconteceu quatro minutos depois de Jonas ceder o lugar a Gabriel.

Ainda assim, o Equador saiu mais feliz do encontro, ao impor o segundo empate ao Brasil na Copa América, depois do conseguido em 1963 (2-2). Nos restantes 12 encontros, os brasileiros somaram outros tentos triunfos.

Com o empate no Rose Bowl, o Peru assumiu isolado a liderança do Grupo B, com três pontos, graças ao seu triunfo tangencial sobre o Haiti (1-0).

Em Seattle, o avançado Paolo Guerrero, grande ‘estrela’ da formação peruana, apontou o único golo do encontro, aos 60 minutos, com um cabeceamento certeiro, depois de um cruzamento de Edison Flores.

No que respeita ao Grupo A, Paraguai e Costa Rica empataram a zero, em Orlando, num embate sem grandes oportunidades em que o ‘leão’ Bryan Ruiz foi titular nos costa-riquenhos, sendo substituído aos 78 minutos.

Já nos descontos, aos 90+4 minutos, o central Kendall Waston, da Costa Rica, foi expulso, por uma entrada muito dura sobre um adversário.

A Colômbia, que na sexta-feira venceu os anfitriões Estados Unidos por 2-0, no jogo de abertura, lidera isolada o agrupamento.

A Copa América prossegue hoje, com os dois jogos da primeira jornada do Grupo C: a Venezuela mede força com a Venezuela, se Sema Velázquez, e o México, de Laýun, Herrera, Corona e Raúl Jiménez, defronta o Uruguai, de Maxi Pereira.