Santos Populares

Santos Populares portugueses vestem capital do samba de verde e vermelho

146

A primeira edição da Festa dos Santos Populares Portugueses, de 10 a 12 de junho, promete envolver o Rio de Janeiro, capital do samba, de cores portuguesas.

Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

A primeira edição da Festa dos Santos Populares Portugueses, de 10 a 12 de junho, promete envolver o Rio de Janeiro, capital do samba, de cores portuguesas, num evento que mistura história, arte, gastronomia e romantismo.

A ideia partiu de uma portuense, Connie Lopes, a quem a longa permanência no Brasil já fiz perder o sotaque luso e que, há uns anos, começou a perceber uma mudança na cultura do seu país.

“Comecei a gostar muito do novo design e da nova música. Houve uma mudança muito grande na forma de apresentação da cultura”, observou, dando igualmente conta de um crescente interesse dos moradores do Rio de Janeiro pelos “nossos fadistas e a nossa música”.

Após três anos a organizar um festival de fado, Connie Lopes, decidiu lembrar aos brasileiros que as famosas festas juninas locais têm origem em Portugal, apesar de hoje em dia aqui serem comemoradas com forró, ainda que o uso do acordeão, dos balões e das bandeirinhas se mantenha.

Para a curadora da festa, o evento ganha outra dimensão ao ser realizado no ano em que a cidade maravilhosa recebe os Jogos Olímpicos e em que é alvo de uma “grande transformação”, com vários melhoramentos, incluindo na Praça XV, local do desembarque da família real portuguesa no Brasil, em 1808, onde decorre a festa.

A praça terá cravos de papel com quadras e manjericos e haverá ainda desfiles de trajes tradicionais do Minho e venda de artesanato português.

A 10 de junho, dia de Portugal, de Luís de Camões e das comunidades portuguesas, o Cristo Redentor estará iluminado com as cores da bandeira portuguesa.

A festa contará com espetáculos da banda portuguesa Deolinda, do acordeão frenético de Rosinha (cantora que se destaca pelo humor nas suas letras), do Forró do Kiko e de músicos tocando as guitarradas portuguesas, entre outros.

No dia 12, dia dos namorados no Brasil, em homenagem a Santo António, casamenteiro, a bigband Orquestra Imperial conduzirá o baile romântico dos namorados.

Os visitantes poderão ainda degustar gastronomia portuguesa variada, de sardinhas assadas na brasa a pastéis de nata, para além de participarem num workshop culinário com Alexandre Henriques, chefe do “melhor restaurante português do Rio”, na opinião da curadora.

Será também montada no local uma exposição de Cascatas – maquetes que reproduzem a vida nas cidades – com uma representação do Porto feita pelo português José Carlos Amaral Fernandes e outra do Rio de Janeiro, a cargo do brasileiro Morrinho.

A programação englobará ainda o lançamento do “Ba(p)tismo de Terra”, um documentário feito pela jornalista Vanessa Rodrigues que cruza seis histórias de sucesso da imigração portuguesa no Rio de Janeiro.

O historiador brasileiro Laurentino Gomes, autor do livro “1808”, e o historiador português Jorge Couto trocarão ideias na palestra “Era uma vez Brasil”, e o comediante do grupo Porta dos Fundos Luís Lobianco e o ator português Ricardo lerão poesia portuguesa no palco.

A idealizadora da festa acredita que o evento “vai ser um sucesso”, esperando mais de “cinco a seis mil pessoas”, porque atualmente muitos brasileiros estão interessados em “enturmar-se com a cultura de Portugal”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)