Rádio Observador

Celebridades

Alicia Keys disse adeus à maquilhagem. Saiba porquê

788

Aos 35 anos, a cantora premiada pela indústria da música escreveu uma carta aberta onde explica porque é que de agora em diante só aparecerá em público de cara lavada, sem recurso a maquilhagem.

Alicia Keys fotografada ainda antes de se despedir da maquilhagem.

AFP/Getty Images

Há 15 anos que o mundo se habituou à voz e visual de Alicia Keys, cantora que se estreou no universo musical com o álbum Songs In a Minor — quem não se recorda de um sentido e esforçado I keep on fallin’ in and out of love with you? E se o sucesso de Keys ninguém lhe tira, o mesmo já não se pode dizer da maquilhagem. A cantora e produtora vencedora de 15 grammies disse um adeus definitivo à maquilhagem, base, blush e eyeliner incluídos. A despedida, que provavelmente fará alguma confusão a muitas mulheres, tem razão de ser: Alicia não se quer voltar a esconder.

Let's do this! ???? ???? ???? #UCLFinal

A photo posted by Alicia Keys (@aliciakeys) on

É preciso recuar a 28 de maio, quando Alicia Keys cantou em Milão, Itália, na final da Liga dos Campeões, e apareceu de cara lavada diante de 30 mil pessoas. Dias depois, a explicação da artista surgia na forma de uma carta aberta, publicada no site feminista da atriz Lena Dunham. Cansada de ser constantemente julgada pela sua aparência e forma de estar, a cantora de 35 anos escreveu que antes de começar a trabalhar no novo álbum fez uma lista das coisas de que “estava farta”. Entre elas a ideia de como as mulheres eram convencidas de que tinham de ser “magras, sexy, desejadas ou perfeitas”.

Uma das muitas coisas de que estava farta era o constante julgamento de outras mulheres. Os constantes estereótipos (…) que nos fazem sentir que ter um tamanho normal não é normal.”

A cantora recorda ainda as primeiras experiências sob o escrutínio do público, numa altura em que todos tinham algo a dizer. “«Ela é tão dura, ela age como um rapaz, ela só pode ser gay, ela devia ser mais feminina!» A verdade é que eu era de Nova Iorque e toda a gente que conhecia agia assim”. A crítica estende-se naturalmente à indústria do entretenimento, a qual a obrigou de certa forma a ser cada vez mais um “camaleão”, para que fosse mais facilmente aceite. “Isto era tudo tão frustrante e tão impossível.”

Vibin in Londontown… Sending love! ????

A photo posted by Alicia Keys (@aliciakeys) on

Estava finalmente a descobrir o quanto me censurei e isso assustou-me. Afinal, quem era eu? Será que eu ainda sabia como ser brutalmente honesta?

A isso Alicia acrescenta que de cada vez que saía de casa sem maquilhagem ficava preocupada. E se alguém lhe tirasse uma fotografia? E se essa mesma imagem fosse depois publicada? “Estes eram os pensamentos inseguros, superficiais mas honestos que tinha. E tudo isso, de uma forma ou de outra, tinha demasiado que ver com o que as outras pessoas pensavam de mim”.

A cantora espera que o movimento ao qual se juntou — anteriormente manifestado em selfies de celebridades sem qualquer maquilhagem –, seja uma revolução. “Porque não me quero voltar a cobrir. O meu rosto, a minha mente, a minha alma, os meus pensamentos, os meus sonhos, as minhas lutas, o meu crescimento emocional. Nada.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)