Santo António já se passeia pelas ruas e a organização do Caixa Alfama aproveitou o clima de festa para anunciar mais uma edição. Dez palcos de fado vão estar espalhados por todo o bairro lisboeta, a 23 e 24 de setembro. No cartaz, nomes como Carminho, Raquel Tavares e Ricardo Ribeiro assumem-se como protagonistas. Mas não só. Na 4ª edição, o Caixa Alfama vai dar destaque à nova geração de fadistas.

No restaurante São Miguel Grandes Cantorias, o ambiente de uma casa de fado não passa despercebido. Desde os comes e bebes aos lenços tipicamente portugueses a servir de toalha de mesa, é o fado de Maura Airez que serve de banda sonora. A jovem fadista tem 17 anos e é a primeira vez que faz parte do cartaz do Caixa Alfama. A nova geração do fado alia a modernidade à tradição: Maura deixa o vestido preto clássico das fadistas para dar lugar a um macacão preto e ao cabelo apanhado. Mas a voz mantém-se nos padrões.

Ainda não sabe dizer o que a destaca dos outros cantores, que tal como ela estão a começar. “Sou um bocadinho suspeita, mas acho que devo ter alguma coisa de bom”, afirmou. Maura Airez não é natural de Alfama, vem do outro lado do Tejo, de Almada, e o caminho na música começou há cerca de um ano e meio e sem quaisquer professores ou formação musical. A grande prova acontece em Setembro no Caixa Alfama: “Sei que as pessoas vão estranhar ver-me num palco, porque não me conhecem.” Ansiedade? Sim, mas faz parte do jogo.

Na apresentação do festival, Luís Montez, da Música no Coração, reconheceu esta necessidade de unir o talento dos mais novos às referências de fado do passado. Fadistas como Maria Ana Bobone, Raquel Tavares, Carminho, Gisela João e Ricardo Ribeiro estão já certos no cartaz e são nomes reconhecidos. No entanto, haverá também lugar para outros cantores como FF — ou Fernando Fernandes — voz mais associada à pop e a musicais, mas que no Caixa Alfama vai interpretar fado, claro está.

Os dez palcos vão estar dispersos um pouco todo o bairro: Igreja de São Miguel, Largo da Igreja de Santo Estevão, Museu do Fado e a Casa Ermelinda Freitas são alguns dos locais escolhidos. Miguel Coelho, presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, afirma que “não poderia existir outro local em Lisboa, que não Alfama ou a Mouraria para a realização deste evento de fado”. “Claro que em Alfama sente-se o fado e as pessoas percebem de fado. O interesse público está acima de qualquer evento”, reforça. Já o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, afirmo estar “mortinho por correr, mais uma vez, as ruas e os palcos de Alfama”.

Os bilhetes custam 38 euros para os dois dias e depois de adquiridos podem ser trocados por uma pulseira no Museu do Fado. O cartaz completo do Caixa Ribeira será revelado em breve.