Cem dos mais raros cartazes publicitários proibidos pelo regime nazi vão ser vendidos em leilão pela agência Christie’s. Esta coleção pertencia a Hans Sach, um dentista judeu de nacionalidade alemã que era proprietário da maior coleção de posters do mundo (alguma bibliografia contabiliza 30 mil cartazes na coleção do alemão) e que criou a primeira sociedade de colecionadores do mundo em Berlim. A venda destes cartazes publicitários pode render mais de 383 mil euros.

Em 1939, Hans Sach foi preso pela Gestapo na sequência da Noite dos Cristais, evento de extrema violência na Alemanha e na Áustria dominadas pelos nazis. A coleção do dentista desapareceu e só agora é que voltou à tona, em Londres, para ser leiloada. Entretanto, já nos anos sessenta, Sach recebeu 115 mil euros de compensações pela perda de obras de arte, algo previsto pela Lei da Restituição da Alemanha. O dentista nunca terá descoberto os valiosos cartazes que tinha recolhido das mãos dos melhores artistas o século XX. Foi o filho, muito depois da morte do colecionador em 1974, que seguiu novas pistas online que levaram a um arquivo no Museu Histórico da Alemanha.

Os preços de cada cartaz variam entre os 1013 e os 23 mil euros. São autênticas relíquias porque testemunham os primeiros tempos do desenvolvimento da publicidade e do marketing no início do século passado e mostram as primeiras apostas das empresas de champanhe, chocolate ou desporto. “As pessoas ficavam à espera que um novo cartaz saísse”, contou Nicolette Tomkinson, especialista da Christie’s, à CNN.