As cheias ocorridas nos últimos dias no norte de França, em particular na região de Paris, com o transbordar do rio Sena e de alguns dos seus afluentes, terão um custo para as seguradoras de entre 900 e 1.400 milhões de euros.

Esta estimativa, que ainda é provisória, foi esta terça-feira feita pela Associação Francesa de Seguros (AFA) que, em comunicado, indicou ter recebido até agora 77.000 declarações de sinistro e que pensar que estas poderão chegar a 150.000.

As principais incertezas prendem-se com as condições e o ritmo a que os rios que transbordaram voltarão aos seus caudais, explicou a AFA.

As seguradoras vão aceitar as declarações de sinistro até ao próximo dia 30, ou seja, além dos dez dias do prazo regulamentar e comprometeram-se a avançar indemnizações às pessoas em maior necessidade, em particular àquelas cujas principais residências ficaram inabitáveis durante mais de 24 horas.

A AFA disse também que quem sofreu prejuízos inferiores a 3.000 euros receberá a indemnização em dois meses, depois de recebida a avaliação completa do sinistro.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, indicou esta terça-feira que o fundo de emergência para as inundações que o seu Governo criou, com uma quantia inicial de 30 milhões de euros, distribuirá cerca de 500 euros por família afetada.

O museu do Louvre que, como outros dos que estão junto ao Sena, em Paris, fechou a título preventivo quando o caudal do rio estava a subir de nível, na semana passada, indicou esta terça-feira que os quatro dias de encerramento representam um prejuízo de cerca de 1,5 milhões de euros, correspondentes a menos 120.000 visitantes.

Por outro lado, as fortes tempestades que esta tarde sacudiram o norte de França, desde a região de Lille até à Alsácia, na fronteira alemã, causaram a morte de um homem, que se afogou ao ser surpreendido pela subida do nível da água numa estrada em Mondicourt, no departamento de Pas de Calais.

O vice-governador de Pas de Calais contou na estação de rádio France Info que a direção do vento se deslocou de sul para norte e que o falecido, um septuagenário, tinha tentado circular num troço de estrada inundado, de onde não conseguiu escapar.

No total, 16 departamentos estavam esta terça-feira à tarde em alerta laranja devido a tempestades que, em alguns locais, foram de granizo, como em Estrasburgo, no nordeste do país.