355kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Ex-ministra explica défice de 2015 em três minutos e meio

Este artigo tem mais de 5 anos

Maria Luís Albuquerque, ex-ministra das Finanças, leva três minutos e 30 segundos a explicar o défice de 2015, tentando desfazer o que classifica de "muita confusão" no debate sobre a meta falhada.

i

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em três minutos e 30 segundos, a ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, explica o défice excessivo de 2015 e tenta desfazer aquilo que classifica como “muita confusão”. No vídeo, publicado pela PSD@TV, argumenta que “se for descontado o efeito do Banif, o défice efetivamente ficou em 3%” do PIB.

A deputada social-democrata argumenta que o resultado final, reportado pelas instituições estatísticas, de 4,4% “não tem a ver com o esforço” feito pelo Governo ou pelo país. “Os sacrifícios foram reais, palpáveis”, diz, atirando a responsabilidade do valor global para “alterações de metodologia”, ou fatores que o Governo não controla.

Além disso, Maria Luís Albuquerque aproveita para dizer que o valor de 3,2% a que a Comissão Europeia se refere no seu relatório da primavera corresponde apenas ao défice descontando o efeito de medidas extraordinárias. E, por isso, argumenta, esta é uma “questão distinta” que não é relevante no apuramento do cumprimento das metas estabelecidas no âmbito do Procedimento por Défice Excessivo.

A ex-ministra conclui defendendo que é “muito difícil justificar a aplicação de sanções”, porque “não se pode dizer que Portugal não fez o esforço a que estava obrigado.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.