Talvez a maior surpresa da qualificação, a par da Islândia. Não é caso para menos, pois acabou à frente de Dinamarca e Sérvia. Apesar da derrota contra esta equipa na jornada inaugural, apenas Portugal foi melhor que a seleção de Gianni de Blasi, um italiano de 59 anos que já treinou Udinese, Torino, Levante e Brescia.

A Albânia vai estrear-se num Europeu e o jogador mais conhecido é Lorik Cana, um médio que dá uns toques a defesa central também. É o capitão de equipa e esteve alguns anos na Lazio — agora está no Nantes. Curiosidade: de Blasi não convocou o melhor marcador da liga albanesa (Hamdi Salihi). Bom, mas ele pode tudo e até ouviu um “Querido Gianni, a minhas palavras não conseguem expressar a minha gratidão” da boca do primeiro-ministro albanês.

separador_o_onze

Etrit Berisha; Berat Djimsiti, Elseid Hysaj, Ansi Agolli e Ermir Lenjani; Burim Kukeli, Lorik Cana, Taulant Xhaca, Amir Abrashi e Bekim Balaj; Sokol Cikalleshi.

separador_treinador

Gianni de Blasi

craque (2)

Taulant Xhaka

Convocados

Guarda-redes: Etrit Berisha (Lazio), Alban Hoxha (Partizani), Orges Shehi (Skënderbeu)

Defesas: Lorik Cana (Nantes), Arlind Ajeti (Frosinone), Berat Gjimshiti (Atalanta), Mërgim Mavraj (Colónia), Amir Rrahmani (Split), Elseid Hysaj (Nápoles), Ansi Agolli (Qarabağ), Frederic Veseli (Lugano), Naser Aliji (Basileia)

Médios: Ledjan Memushaj (Pescara), Ergys Kaçe (PAOK), Andi Lila (Giannina), Migjen Basha (Como), Odise Roshi (Rijeka), Burim Kukeli (Zürich), Ermir Lenjani (Nantes), Herolind Shala (Slovan Liberec), Taulant Xhaka (Basileia), Armir Abrashi (Freiburg)

Avançados: Bekim Balaj (Rijeka), Sokol Çikalleshi (Medipol Baksasehir), Armando Sadiku (Vaduz), Milot Rashica (Vitesse), Shkëlzen Gashi (Colorado Rapids)