Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O investigador francês Alim-Louis Benabid foi o grande vencedor do Prémio Europeu do Inventor, na categoria de Investigação, para o qual estavam também nomeados os portugueses Elvira Fortunato e Rodrigo Martins, da Universidade Nova de Lisboa. Benabid venceu com uma proposta de impulsos elétricos para tratar Parkinson.

O prémio foi entregue por Carlos Moedas, Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, e Benoît Battitstelli, presidente do Instituto Europeu de Patentes, durante uma cerimónia que decorreu durante a manhã desta quinta-feira na Sala Tejo do Meo Arena, em Lisboa.

No discurso de entrega, Benabid agradeceu a todos “aqueles que, durante décadas, trabalharam comigo”. “Os artistas, os escritores, são os únicos autores das suas obras. Nós, na Ciência, trabalhamos com colegas, com cientistas, para alcançar algo”, disse.

“Fazer investigação é um privilégio, fazer descobertas é um privilégio, ser reconhecido pelos pacientes e pela sociedade é um privilégio, ser finalista e ser eleito vencedor deste prémio é um privilégio.”

Elvira Fortunato e Rodrigo Martins e a restante equipa do Centro de Investigação de Materiais da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Nova estavam na corrida para o prémio pela invenção de tecnologia dos transístores de papel, que se apresentam como uma alternativa aos chips de silício. Para a mesma categoria estava ainda nomeado o checo Miroslav Sedláček, que desenvolveu uma nova turbina para fluidos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR