Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As exportações de bens caíram 2,5% em abril face ao mesmo mês de 2015, acumulando uma queda de 1,8% no trimestre terminado nesse mês, ligeiramente pior que nos primeiros três meses do ano, indicou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE). Excluindo os combustíveis, as exportações de bens teriam crescido 1,2%.

Nova queda mensal: menos 2,5%. Os números das exportações não são novamente famosos, principalmente devido à redução dos preços dos combustíveis que está a afetar os valores das exportações de bens (os serviços não estão incluídos nos dados conhecidos hoje). Os números são ainda piores quando se olha para os valores mensais, onde as exportações apresentam a primeira descida desde o final do ano passado, diminuindo 2,1%.

Em termos homólogos, os números são menos negativos que o que se via no mês passado, altura em que as exportações caíam a um ritmo de 3,8%.

O mau resultado de abril deve-se, segundo o INE, a uma queda nos negócios com os países que não pertencem à União Europeia. A exportação para este grupo de países já vinha a diminuir, mas esta queda intensificou-se em abril, com uma descida de 19,7% face ao mesmo mês de 2015. Em março, a diminuição havia sido de 15,1%.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O comércio com países da União Europeia até cresceu em abril (4%), quase tudo resultado de negócios com países da zona euro, mas este crescimento ficou muito aquém do que foi perdido no comércio com os países extracomunitários, cuja queda foi de quase o dobro (mais, se a comparação for apenas com a zona euro).

Angola continua a ser o calcanhar de Aquiles das exportações portuguesas, diminuindo mais 46,8% (o equivalente a menos 81 milhões de euros de vendas para este país em abril), mas a China não lhe fica atrás e apresenta uma diminuição de 60,9% nos bens comprados a Portugal (menos 52 milhões de euros).

exportações

Só entre fevereiro e abril, Portugal vendeu menos 250 milhões de euros em bens para Angola, quase menos metade do que havia feito nos mesmos três meses do ano passado, e mais de o dobro da diminuição do segundo país para o qual as exportações caíram mais, a China, para onde Portugal vendeu menos 103 milhões de euros.

Do lado positivo, França passou a importar mais produtos portugueses em abril, reganhando o segundo lugar entre os principais mercados das exportações portuguesas à Alemanha, que diminui ligeiramente as compras, tal como a Espanha, o principal mercado para as exportações portuguesas.

A boa notícia para a balança comercial portuguesa está nas importações de bens, que caíram mais de 7%. Com este aperto nas importações, a balança comercial de bens tem uma melhoria de 277 milhões de euros em abril, se comparamos com abril de 2015.

Num cenário em que as exportações de bens portugueses estão em dificuldades, o mercado português também reduziu de forma muito significativa o que importa e também foram os países extracomunitários que mais sentiram na pele esta contração, com uma queda de 23,7%, muito superior à verificada nas exportações para estes países.

importações

Nos negócios com a União Europeia também se verificou uma diminuição, de 2,1%, mas, e ao contrário do caso dos negócios com os países que não fazem parte da União Europeia, aqui o saldo continua a ser negativo para a balança comercial portuguesa.

Mais uma vez, Angola está no topo. As relações comerciais entre Portugal e Angola são cada vez mais frágeis e isso também se nota nas importações, que caíram 65,4% em abril, quando comparado com abril do ano passado (menos 66 milhões de euros para apenas 35 milhões).