O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, pediu esta quinta-feira aos aliados para cumprirem os compromissos que assumiram há dois anos de aumentarem a despesa em Defesa.

Stoltenberg falava à imprensa em Haia depois de um encontro com o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, sobre a cimeira da Aliança Atlântica que se realiza em julho em Varsóvia.

A Holanda aumentou a despesa em Defesa para ajudar a NATO a lidar com “as atuais ameaças a leste e a sul” das fronteiras da Aliança, disse Rutte à imprensa.

No orçamento para 2016, a Holanda aumentou aquela despesa 220 milhões de euros, para um total de 7,5 mil milhões de euros e prometeu aumentá-la mais 345 milhões até 2020.

Em 2014, na Cimeira da NATO no País de Gales, os aliados prometeram suspender os cortes nos orçamentos para a Defesa e gastar dois por cento do PIB com as respetivas Forças Armadas.

Mas, segundo Stoltenberg, há muito ainda a fazer para que esses compromissos sejam cumpridos, apesar de a suspensão dos cortes proporcionar um aumento gradual dos orçamentos de Defesa.

“Compreendo de certa maneira que é difícil aumentar a despesa em Defesa. Todos os políticos e muitas das pessoas que conheço preferem gastar dinheiro na saúde, educação, infraestruturas e outras áreas”, disse.

“Mas precisamos de investir na nossa Defesa, porque a Defesa é uma condição prévia da nossa segurança e proteção e é a única forma de garantir a paz. Precisamos de uma defesa forte não porque queiramos travar uma guerra, mas porque queremos evitar a guerra”, acrescentou.