É a “assunção da normalidade”, “sem tabus” e “sem complexos”, sublinha José Ribeiro e Castro. Olivença, a cidade que há mais duzentos está no centro de uma disputa política e diplomática entre portugueses e espanhóis, vai celebrar pela primeira vez na história o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades.

A iniciativa partiu da Câmara de Olivença que, em conjunto com a Associação Além Guadiana, um movimento que que luta pela preservação do património cultural português e espanhol na cidade, decidiu marcar a efeméride. Ribeiro e Castro associou-se à iniciativa por acreditar que, “independente deste diferendo político e diplomático entre Portugal e Espanha, deve existir uma relação saudável entre os dois povos”. É uma oportunidade para homenagear os cidadãos que, vivendo em Olivença, se sentem portugueses ou que “têm dois corações que batem à vez”, um português e outro espanhol, diz ao Observador.

O ex-deputado do CDS dedicou a sua última intervenção na Assembleia da República precisamente à situação de Olivença. No dia em que se despediu do Parlamento, Ribeiro e Castro deixou um desejo: “Que as relações fluam. Que as relações brilhem. Para bem dos povos e nosso progresso económico e cultural. Nenhuma linha nos divide, todos os laços nos reúnem”.

As comemorações do 10 de Junho servem para reforçar esse desejo, admite Ribeiro e Castro. “Celebrar a biculturalidade” de uma cidade em que até a toponímia está escrita em duas línguas. Onde a herança portuguesa está bem viva, em “templos, azulejos e monumentos”. “É a nossa pequena aldeia”, sublinha o ex-deputado democrata-cristão.

Ribeiro e Castro assegura que esta iniciativa não “tem qualquer espírito de confrontação”, nem pretende explorar “qualquer polémica” entre os dois Estados. Comemorar o 10 de Junho é “um passo muito importante”, sobretudo para os portugueses que vivem em Olivença e que “sentem a nacionalidade de uma forma muito especial”, afirma Ribeiro e Castro. Até ao momento, o Governo português já recebeu cerca de 500 pedidos de cidadania portuguesa de habitantes da cidade espanhola. Desses, quase 300 já são cidadãos portugueses.

Além do ex-deputado do CDS, a cerimónia de abertura contará com a presença de Manuel José González Andrade, presidente da Câmara Municipal de Olivença, Vítor Ramalho, secretário-geral da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA) e Rosa Maria Balas Torres, diretora-geral da Ação Exterior da Junta de Estremadura. O dia será ainda assinalado com palestras, sessões de teatro, exposições sobre pintura e artesanato e a apresentação de vários grupos de música tradicional.

O diferendo entre Portugal e Espanha arrasta-se desde 1801. Os espanhóis anexaram o território português nesse ano, através do Tratado de Badajoz, mais tarde denunciado pelos portugueses. Dezasseis anos depois, em 1817, a Espanha acabaria por reconhecer a soberania portuguesa e comprometeu-se a devolver o território a Portugal. Tal nunca chegaria a acontecer.