O secretário-geral do PCP disse esta quinta-feira à Lusa que o Estado deve adotar um passe social único para todos os transportes da Área Metropolitana de Lisboa quando se verificar a renovação dos contratos com operadores privados.

“Eu admito que os operadores privados não tenham grande simpatia pela nossa proposta, mas há que lembrar que são serviços públicos de transportes onde o Estado tem uma particular responsabilidade, tendo em conta também o pagamento do próprio Estado às operadoras”, disse esta quinta Jerónimo de Sousa, defendendo aplicação da medida na altura em que se tratar da renovação das concessões.

Segundo o PCP, o sistema de bilhetes da Área Metropolitana de Lisboa é “extremamente complexo” e foi fruto de uma política que apostou na multiplicação de títulos existindo atualmente dois mil tipos de bilhetes e passes diferentes na região.

Para os comunistas, não faz sentido que o Estado entregue a empresas privadas a concessão de transporte público, pagando-lhe “nalguns casos bem mais do que paga a empresas públicas” permitindo que as companhias privadas estejam fora do passe social intermodal, como acontece com a Fertagus, MST, Barraqueiro Transportes, HLM e Isidoro Duarte.

“O Estado pode ter aqui um papel didático para levar as operadoras a admitirem esta solução”, frisou o secretário-geral do PCP, que participou esta quinta-feira numa ação de sensibilização sobre a proposta de criação do passe social intermodal e que decorreu a bordo do comboio que faz a ligação entre margem sul do Tejo e a estação de Sete Rios, em Lisboa.

“Consideramos que é fundamental a articulação e um sistema combinado onde o passe social intermodal permitisse evitar a situação em que, por exemplo, para um passe na Fertagus são precisos quase 70 euros”, referiu.

O PCP propõe igualmente o alargamento geográfico das carreiras e o reforço do serviços, porque, segundo Jerónimo de Sousa, na Área Metropolitana de Lisboa verifica-se “praticamente um recolher obrigatório”.

“A partir de certa hora, as pessoas não se podem deslocar. A nossa proposta tem outra dimensão, porque – sendo o serviço mais barato – haverá mais utentes e isso levaria as pessoas a abdicarem do transporte individual, além da capacidade de mobilidade,”, acrescentou.

Os comunistas já apresentaram um projeto de lei na Assembleia da República que visava a criação de um passe social intermodal para toda a Área Metropolitana de Lisboa e aplicado a todos os operadores e a todas as carreiras.

Paralelamente, a proposta é acompanhada de outras medidas, como a “recuperação da ideia” de os estudantes e dos reformados voltarem a ter o desconto que tinham no passado.

O assunto vai ser agendado em conformidade com a decisão da conferência de líderes, no parlamento, considerando o PCP que se trata de uma proposta “em que é possível um amplo consenso” em nome do bem-estar das populações.

Jerónimo de Sousa disse também que os estudos que foram efetuados para a criação do passe social intermodal para a Área Metropolitana de Lisboa podem ser adaptados, eventualmente, na Área Metropolitana do Porto.