Já não há Karel Poborsky, relaxem (o homem que fez o chapéu a Vítor Baía em 1996). Dito isto, podemos tratar de coisas importantes. Os checos — com Kuka, Berger, e Nedved — chegaram à final da competição precisamente em 1996, para cair contra a Alemanha de Klinsmann e Bierhoff. Essa foi a primeira e única vez que lutaram pelo caneco. Depois disso, apenas o Euro-2004, em Portugal, lhes permitiu saber a que cheira a glória, mas de longe: chegaram às meias-finais, perderam com a Grécia.

Bom, isto tudo se esquecermos que, enquanto Checoslováquia, venceram o Euro-1976, contra a Alemanha Ocidental. Panenka ajudou, pois claro. Em 1960 e 1980 terminaram em terceiro. Rosicky parece eterno e continua a liderar esta seleção, embora não tenha sido titularíssimo no apuramento (1º lugar no Grupo A, à frente de Islândia e Turquia). O homem golo foi Borek Dockal, com quatro golos e três assistências em 792 minutos.

separador_o_onze

Petr Cech, Tomás Sivok, Michal Kadlec, David Limbersky, Václav Procházka, Pavel Kaderábek, Borek Dockal, Tomas Rosicky, Ladislav Krejcí, David Lafata

separador_treinador

Pavel Vrba

craque (2)

Petr Cech

Convocados

Guarda-redes: Petr Cech (Arsenal), Tomas Vaclik (Basel), Tomas Koubek (Slovan Liberec)

Defesas: Theodor Gebre Selassie (Werder Bremen), Roman Hubnik (Viktoria Plzen), Pavel Kaderabek (Hoffenheim), Michal Kadlec (Fenerbahce), David Limbersky (Viktoria Plzen), Daniel Pudil (Sheffield Wednesday), Marek Suchy (Basel), Tomas Sivok (Bursaspor)

Médios: Vladimir Darida (Hertha Berlin), Borek Dockal (Sparta Praha), Daniel Kolar (Viktoria Plzen), Ladislav Krejci (Sparta Praha), Lukas Marecek (Sparta Praha), David Pavelka (Kasımpasa), Jaroslav Plasil (Bordeaux), Tomas Rosicky (Arsenal), Jiri Skalak (Brighton), Josef Sural (Sparta Praha)

Avançados: David Lafata (Sparta Praha), Tomas Necid (Bursaspor), Patrik Schick (Sparta Praha), Milan Skoda (Slavia Praha)