Quando os superdesportivos italianos são o tema, Ferrari, Lamborghini e Pagani serão os primeiros nomes que ocorrerão à maioria. Mas a paixão dos transalpinos pelos automóveis de altas prestações levam a que, ciclicamente, surjam por aquelas paragens pequenos fabricantes capazes de produzir, normalmente em quantidades muito reduzidas, peças tão notáveis quanto exclusivas.

Um desses aficcionados é Luca Mazzanti, especialista em design e construção de supercarros que, em 2002, se aliou a Walter Faralli, especializado no restauro de automóveis, para fundar a marca com o seu próprio nome – cujos primeiros frutos foram modelos de inspiração desportiva com formas rétro. Em 2012, os dois sócios decidiram seguir, cada qual, o seu próprio caminho e as suas próprias competências.

Um ano depois surgia o Evantra, um coupé desportivo de altas prestações, com linhas extremamente agressivas e motor 7.0-V8 de 751 cv, produzido a uma cadência de apenas cinco exemplares por ano, e totalmente personalizável ao gosto do seu feliz proprietário.

3 fotos

Agora, a Mazzanti decidiu ir mais longe e criar uma versão ainda mais extrema do Evantra. Uma das mais importantes evoluções a registar é o novo motor 7.2-V8, com nada menos de 1000 cv e um binário máximo de 1200 Nm, e que faz do Evantra Millecavalli (mil cavalos, em italiano) o mais potente automóvel fabricado em Itália autorizado a circular na via pública. Como faz questão de salientar o CEO da Mazzanti Automobili, Luca Mazzanti:

[jwplatform Oc4V9LJN]

Para ter uma ideia sobre o potencial desde superdesportivo, é bom recordar que o mais possante dos Ferrari surgiu em 2013 e dava pelo nome LaFerrari. Ao motor V12 de 6,3 litros, que fornecia 800 cv, este modelo de que apenas se construíram 499 unidades adicionou um eléctrico de 163 cv, o que lhe permitia atingir uns impressionantes 963 cv de potência total. Ora se o Millecavalli faz nitidamente melhor em termos de potência, fruto do seu motor V8 biturbo com a pressão bem lá em cima, repete o domínio e de forma ainda mais evidente em força bruta, vulgo binário, oferecendo ao condutor mais 30% do que os 900 Nm do LaFerrari, ideal para que o condutor possa derreter os pneus do seu Mazzanti num abrir e fechar de olhos.

Mas este hiperdesportivo tem outros trunfos, a começar por pesar apenas 1.300 kg e estar equipado com uma caixa sequencial de seis velocidades especificamente desenvolvida para ele. Com este argumentário, o Mazzanti Millecavalli está apto a anunciar prestações capazes de tirar a respiração: 0-100 km/h em 2,7 segundos e 402 km/h de velocidade máxima. Na hora de fazê-lo parar, entra em acção a Brembo, que foi de novo chamada a criar especificamente para a Mazzanti uns travões carbono-cerâmicos. A uma velocidade a partir dos 300 km/h, não são precisos mais do que sete segundos para imobilizar a máquina – em matéria de eficiência está tudo dito, pois o nosso estômago é capaz de levar um pouco mais a regressar ao lugar.

Actualmente em exibição no Salão de Turim, ainda enquanto protótipo, o Evantra Millecavalli já tem o programa de testes de desenvolvimento dinâmico praticamente definido. A marca revelou ainda que três clientes asseguraram a compra de outras tantas unidades do modelo, factor determinante para garantir o avanço do projecto.

A Mazzanti tem por objectivo produzir 25 exemplares do Evantra Millecavalli num prazo de cinco anos, sendo cada unidade totalmente personalizável e de fabrico integralmente artesanal.