Lionel Messi regressou sexta-feira em grande à seleção de futebol da Argentina, ao marcar um hat-trick em meia hora, face ao Panamá (5-0), colocando a ‘albi-celeste’ nos quartos-de-final da Copa América do Centenário em futebol.

O melhor jogador do Mundo entrou aos 61 minutos, para o lugar de Augusto Fernández, e marcou três golos, aos 68, 78 e 87 minutos, passando a contar 53 na seleção argentina (108 jogos), apenas menos três do que o recordista Batistuta.

O jogador do FC Barcelona marcou os três golos de pé esquerdo, o primeiro após assistência involuntária, com a cara, de Higuaín, a segundo de livre direto, colocando a bola no ângulo superior esquerdo, e o terceiro após passe de Rojo.

Messi esteve ainda na jogada do quinto golo, com a abertura para Rojo assistir Sergio ‘Kun’ Aguero, aos 90 minutos, depois de uma primeira parte em que Nicolas Otamendo inaugurou o marcador, aos sete, assistido por Di Maria.

O ex-benfiquista teve de ser substituído ainda na primeira parte, aos 43 minutos, já depois de o Panamá ficar reduzido a 10 elementos, por expulsão de Aníbal Godoy, que viu o segundo amarelo, aos 31, após falta sobre o titular Gaitan (Benfica).

Com este resultado, a Argentina está nos ‘quartos’, enquanto o Panamá vai jogar o apuramento na última ronda, face ao detentor do título Chile, estando obrigado a vencer.

Um penálti concretizado por Arturo Vidal, 10 minutos depois dos 90, proporcionou ao Chile o primeiro triunfo na competição, face à Bolívia (2-1).

Em Boston, os chilenos dominaram o encontro de princípio ao fim, mas estiveram muito desinspirados na finalização e só venceram no final, com polémica, graças a um centro de Alexis Sanches contra o braço de Luis Gutiérrez.

O árbitro norte-americano Jair Marrufo assinalou grande penalidade, por indicação de um dos auxiliares, e o jogador do Bayern Munique converteu, conseguindo o ‘bis’, depois de ter inaugurado o marcador aos 33 segundos da segunda parte.

Quando Vidal marcou o primeiro, servido pelo ex’´leão’ Pinilla, pensou-se que o Chile iria partir para uma vitória tranquila, só que, aos 61 minutos, Jhasmani Campos, entrado pouco antes, empatou, na marcação de um livre direto.

Depois, os detentores do título penaram para chegar ao segundo golo, que apareceu quase no final, mas ainda com tempo para jogar e, na jogada seguinte, aos 90+11 minutos, a Bolívia quase empatou, mas Rodrigo Ramallo atirou ao lado.