Música, dança e performance são os “ingredientes” da 3.ª edição do Festival Lá Fora, em Évora, de 16 a 18 deste mês, que apresenta um programa com direção artística do coreógrafo Rui Horta e que inclui nove atuações.

Promovido pela Fundação Eugénio de Almeida (FEA), o evento vai decorrer nos espaços exteriores de dois dos edifícios da instituição, em pleno centro histórico da cidade alentejana: Páteo de São Miguel e Fórum Eugénio de Almeida.

No ano do 30º aniversário de Évora Património Mundial”, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), a FEA “volta a animar os seus espaços patrimoniais com propostas contemporâneas, celebrando o presente nos monumentos do passado”, realçou hoje a entidade organizadora.

O cartaz da edição deste ano do festival, com direção artística de Rui Horta, vai arrancar com a atuação de Tó Trips (Dead Combo) e João Doce (WrayGunn), no Páteo de São Miguel, no dia 16.

Os músicos são apresentar “uma versão ‘unplugged’ dos temas do álbum ‘Sumba’, num espetáculo cúmplice e intimista que promete fazer vibrar a audiência”, afirmou a FEA.

O segundo dia contempla três propostas musicais no Páteo de São Miguel, a começar com a Orquestra Metropolitana de Lisboa. “O programa reúne obras da autoria de Mozart e de Beethoven, num concerto que convida a um encontro com a música de outros tempos”, referiu a fundação.

Depois, vai ser a vez de Marta Ren, ex-vocalista dos Sloppy Joe, subir ao palco, acompanhada por uma formação de 10 músicos, para apresentar os temas de inspiração soul do seu primeiro trabalho em nome individual, intitulado “Stop, Look, Listen”.

O dia 17 vai encerrar com “a mistura eclética e eletrizante do funk, disco e hip-hop” dos Da Chick, “banda novíssima e irreverente do panorama musical português”, que vai atuar acompanhada pelos bailarinos André e Gonçalo Cabral.

O terceiro e último dia do festival, a 18 de junho, vai ser o mais preenchido. O “pontapé de saída” é dado, no Fórum Eugénio de Almeida, pelo espetáculo de dança e teatro de sombras “Catabrisa”, dirigido a toda a família e que junta a coreógrafa Joana Providência, o escritor Eugénio Roda e o ilustrador Gémeo Luís.

“¿Hasta dónde?” é o título, em espanhol, do dueto de dança contemporânea que se vai seguir, no fórum, mas também, mais tarde, no Páteo de São Miguel, sendo protagonizado pelos bailarinos Sharon Fridman e Arthur Bernard Bazin.

A cantora, guitarrista e compositora Lula Pena também é um dos destaques da última jornada do Festival Lá Fora, no Páteo de São Miguel, apresentando o seu mais recente trabalho discográfico, “Archivo Pittoresco”.

Os The Black Mamba, “a eletrizante banda de Pedro Tatanka”, encerram o certame, atuando em Évora “na sua versão completa, um octeto com uma fortíssima presença dos metais”, explicou a FEA.