Alexander Stubb falhou neste sábado a tentativa de alcançar a liderança do partido Coligação Nacional, de centro-direita. O ministro das Finanças do governo finlandês falhou a eleição ao ser batido pelo pelo seu colega de governo, o ministro do Interior, Petteri Orpo, durante o congresso partidário que se realizou na cidade de Lappeenranta, no leste da Finlândia.

“Temos de ser mais corajosos, mais inovadores, mais ágeis, no partido mas, também, no governo”, afirmou Orpo durante uma conferência de Imprensa, citado pela agência Bloomberg. A eleição para a liderança deverá provocar mudanças no governo de Helsínquia. “Como líder partidário, tenho a expectativa de vir a ser ministro das Finanças, porque se trata de uma posição central no governo”, adiantou o atual ministro do Interior.

Esta atitude vai ao encontro da prática em vigor no governo finlandês, em que o líder do partido mais pequeno assume a pasta das Finanças. O país é governado por uma coligação que integra três partidos. Além da Coligação Nacional, fazem parte o Partido do Centro, a que pertence o primeiro-ministro Juha Sipila, e Os Finlandeses, organização nacionalista.

A mudança de líder na Coligação Nacional não é estranha ao facto de a Finlândia atravessar, atualmente, uma grave crise económica, com as culpas a serem colocadas sob a responsabilidade Alexander Stubb. Numa entrevista recente, Petteri Orpo afirmou que a situação no país é “alarmantemente má” e exigiu medidas de grande alcance para ressuscitar o crescimento.

Stubb é também acusado de ter permitido uma queda da Coligação Nacional no ranking dos partidos finlandeses. Depois de se ter transformado no partido de maior dimensão em 2011, caiu para a terceira posição no rescaldo das eleições legislativas realizadas em 2015 e não mostra sinais de recuperação de popularidade junto dos eleitores.

Os dois políticos partilham a visão política, mas têm estilos diferentes, assinala a Bloomberg. Alexander Stubb é um poliglota, com bons contactos na política internacional, que sabe falar cinco línguas de forma fluente e que estudou nos Estados Unidos, Bélgica e Reino Unido. É um eficaz utilizador do Twitter, onde é seguido por 250 mil pessoas, além de praticante de triatlo.

Petteri Orpo é mais discreto e tradicional. Sempre viveu na Finlândia, onde fez toda a carreira política. Foi ministro da Agricultura e tem fortes ligações à máquina partidária da Coligação Nacional e ao respetivos líderes locais. Uma das prioridades, agora, será a de reconquistar competitividade através da concretização de um pacto entre os sindicatos e os empregadores.

A economia finlandesa tem sofrido, desde 2009, com o declínio da maior empresa e empregadora do país, a Nokia, que chegou a representar 4% do produto interno bruto (PIB) no início do século XXI. O desemprego subiu e ficou-se em 9,4% em 2015, depois de três anos consecutivos de recessão, entre 2012 e 2014. Para este ano, o banco central do país antecipa uma taxa de crescimento de 1,1%.