Rádio Observador

Copa América

Copa América: Golo com o braço de Ruidíaz elimina Brasil e qualifica Peru

Um golo com o braço do suplente Raúl Ruidíaz, aos 75 minutos, afastou o Brasil da Copa América do Centenário em futebol e colocou o Peru, vencedor por 1-0, nos quartos de final.

BOB PEARSON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um golo com o braço do suplente Raúl Ruidíaz, aos 75 minutos, afastou domingo o Brasil da Copa América do Centenário em futebol e colocou o Peru, vencedor por 1-0, nos quartos de final.

Necessitado apenas de empatar para seguir em frente, o ‘onze’ de Carlos Dunga, que deixou Jonas no banco, foi derrotado por um golo irregular, uma mão não detetada pelo árbitro uruguaio Andres Cunha e seus assistentes.

Em Foxborough, os jogadores brasileiros protestaram muito, nomeadamente o guarda-redes Alisson, mas, despois de quase quatro minutos de hesitações e trocas de palavras entre árbitro e assistentes, o golo foi mesmo validado.

O Brasil pode queixar-se pela forma como foi eliminado, mas o árbitro também lhe perdoou uma grande penalidade e foram muitos os seus erros próprios, sobretudo o ‘zero’ na finalização, apesar de várias oportunidades criadas.

“Tivemos oportunidades, mas a bola não quis entrar, é futebol. Não marcámos e pagámos por isso. O golo do Peru? A gente viu que a bola bateu na mão, mas não vale a pena falar disso. Os quatro árbitros falaram entre eles e disseram que nenhum viu mão”, lamentou Mirada, o ‘capitão’ brasileiro.

O Brasil teve, de facto várias ocasiões, nomeadamente na primeira parte, mas o guarda-redes Gallese deteve os remates de Filipe Luis (12 minutos) e Gabriel (26 e 41) e, pelo meio, Willian atirou por cima, em excelente posição (36).

Quase em cima do intervalo, aos 44 minutos, o Peru, que pouco fez ofensivamente na primeira metade, deveria ter beneficiado de uma penálti, por falta de Renato Augusto sobre Édison Flores. O árbitro mandou jogar.

Para a segunda parte, o Peru, obrigado a vencer, trouxe uma postura mais ofensiva e depois de uma primeira ameaça, num livre de Cueva, chegou ao golo aos 75 minutos: Guerrero combinou na direita com Andy Polo, que centrou para o remate do suplente Raúl Ruidíaz… com o braço direito.

Depois de vários minutos de discussões entre os árbitros, o golo foi validade e, até final, o Brasil pressionou, mas teve apenas uma ocasião, desperdiçada, aos 90+3 minutos, pelo ex-‘leão’ Elias, que falhou o remate na ‘cara’ de Gallese.

O Peru aguentou-se e está nos ‘quartos’ – nos quais vai defrontar a Colômbia -, juntando-se ao Equador, que, no primeiro jogo do dia, garantira uma lugar nos ‘quartos’ ao golear o Haiti por 4-0.

No MetLife Stadium, em New Jersey, os equatorianos precisavam de vencer por um mínimo de dois tentos de diferença e ganharam por quatro, num embate em que se destacou Enner Valencia, com um golo e duas assistências.

O avançado dos ingleses do West Ham inaugurou o marcador, aos 11 minutos, isolado por Christian Noboa, e, depois, em vez de voltar a marcar, ofereceu golos de baliza aberta a Jaime Ayovi, aos 20, e Jose Antonio Valencia, aos 78.

Aos 57 minutos, Noboa parou no peito um cruzamento da esquerda de Jefferson Montero e marcou de pé direito o terceiro tento do Equador, que tinha empatado os dois primeiros jogos (0-0 com o Brasil e 2-2 com o Peru).

O conjunto equatoriano vai defrontar os anfitriões Estados Unidos nos quartos de final, enquanto o Haiti, que se estreou na Copa América, despede-se com três derrotas em outros tantos jogos, um golo e 12 sofridos

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)