O Presidente norte-americano, Barack Obama, sente-se “frustrado com inércia do Congresso”, controlado pelo partido republicano, em relação às armas de fogo, disse nesta segunda-feira o seu porta-voz, um dia após o massacre em Orlando que fez 49 mortos. “O Presidente ficou frustrado, por vezes mesmo zangado, perante a inação do Congresso”, declarou Josh Earnest.

Embora reconhecendo que uma só lei não será suficiente para “pôr fim a toda a violência”, o porta-voz da Casa Branca considerou que existe “um determinado número de medidas de bom senso que o Congresso poderia aprovar que tornariam mais difícil para qualquer indivíduo adquirir uma arma de guerra”.

Desde a sua subida ao poder, em janeiro de 2009, que o Presidente norte-americano manifesta a intenção de reforçar a legislação sobre esta matéria, até agora sem êxito.

Consciente de que o equilíbrio das forças no Congresso (onde as duas câmaras são dominadas pelos republicanos) torna ilusória qualquer evolução legislativa, Obama apela agora regularmente aos norte-americanos para que peçam contas aos seus representantes eleitos, apresentando sondagens favoráveis a uma alteração da lei.