Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Volta e meia, a mesma pergunta, colocada de formas diferentes. Remate para canto, sempre para o lado, a resposta também sempre igual de Fernando Santos. O selecionador não deu qualquer pista sobre o onze de Portugal do jogo de estreia no Europeu, frente à estreante Islândia, esta quarta-feira à noite (20h00) em Saint Etiénne. Afirmou que tem as coisas quase a 100% definidas, admitiu que uma das suas dúvidas é poder utilizar ou não Ricardo Quaresma, mas “não só”, e fez depender tudo do último treino e das próximas 24 horas. Traduzindo, ou resumindo, aquela que foi a Conferência de Imprensa do técnico português, pode dizer-se que o Fernando Santos esteve confiante, garantiu ter a equipa islandesa bem estudada, transmitiu uma motivação que será transversal a toda a equipa (com Ronaldo à cabeça) e deixou para a última hora antes do jogo a confirmação da utilização de Quaresma.

“Faltam 24 horas, em 24 horas muita coisa pode acontecer. Ele estará seguramente nos 23, e amanhã vamos decidir”, começou por dizer o selecionador sobre Quaresma, e nunca mais deu qualquer outra informação sobre o tema. Na prática, deixou tudo em aberto (até porque Quaresmas já treinou no relvado, na última sessão de preparação antes do jogo, ainda que de forma limitada), afirmando que tanto o poderá utilizar, como esperar pela sua recuperação completa. Afinal, uma mialgia pode curar-se em pouco tempo, e ainda estamos a um dia da estreia.

“Já sabe o 11?”, perguntou-lhe às tantas um jornalista. “Mais ou menos. Ainda não o dei como garantido, mas obviamente está muito aproximado”, respondeu Fernando Santos entre vários sorrisos. “Falta um treino, vamos ver o que acontece, nunca podes ter 100% de certezas quando ainda falta um treino e 24 horas. Mas as dúvidas são muito reduzidas”, acrescentou. E ponto final.

Alguém ainda quis saber sobre Ronaldo, sobre o momento de forma da estrela da equipa. O treinador voltou a responder com bom humor. “Está bem e recomenda-se”, disse. “Está muito motivado, já vinha muito motivado com a conquista da Liga dos Campeões, toda a gente sabe que ele tem um sonho, um objetivo, uma ambição para este campeonato da Europa, por isso está com a motivação em alta… e recomenda-se”, insistiu o selecionador. Quanto ao facto de ser a última grande oportunidade de CR7 num Europeu, mais um remate.. para canto. “O Ronaldo tem ainda muitos anos pela frente! Todos os que aqui estamos, seja os que têm 18 anos, seja os que os têm 38, vão jogar como se este Europeu fosse o último”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para acabar a fase das perguntas dirigidas, ou seja, com jogadores lá dentro, não podia faltar uma questão sobre Bruno Alves e as consequências do disparate cometido no particular com a Inglaterra. Desta vez, Fernando Santos atirou à baliza: “Conheço o Bruno há muitos anos, foi meu jogador no FC Porto, na Grécia… Quando entra em jogo dá tudo o que tem. 85 jogos ao serviço da seleção e por uma vez teve um cartão vermelho. Já vi tantos e tantos com muitos menos jogos terem cartões vermelhos. Se gostamos tanto de estatísticas, vamos olhar para a estatística do Bruno Alves e perceber que ele não é um jogador violento”.

Passemos então à motivação. E essa parece ser alta, segundo Fernando Santos, apesar de estarmos até aqui, a ver um Europeu de jogos equilibrados e poucos golos. “A minha confiança e o que traçámos como objetivo, não depende do que se tem visto neste Europeu. Tem a ver com aquilo em que acredito, e de que comungamos todos”, disse o selecionador, que também baixou as expetativas criadas com o 7-0 à Estónia. “A minha equipa não vive no passado, o passado não interessa, nem conta. Nem o que aconteceu em 84, nem que se passou há 3 ou 4 dias. O que interessa é o presente e o futuro”.

Quanto ao adversário, o treinador garantiu ainda que tem a equipa islandesa bem estudada, mas “não diz o que vai fazer, porque isso seria entregar o ouro ao bandido”. Tática? “Atacar para fazer golos e também defender bem para não os sofrer”. A um jornalista islandês, Fernando Santos disse que “fez um bom trabalho” de pesquisa sobre o adversário de amanhã. “Sei como jogam, qual a estrutura estratégica do meu colega, como abordam o jogo”, avisou.

A terminar, uma pergunta sobre se a sua renovação de contrato vai depender dos resultados que conseguir no Europeu, Fernando Santos fintou a questão: “Estamos todos focados no Campeonato na Europa e não vou desviar esse meu foco. É uma questão que não vale a pena colocar, não vou por aí, o que interessa é o euro o resto logo se vê quando será”.