A Federação Inglesa de Futebol (FA) queixou-se nesta segunda-feira à UEFA de condições de segurança “inaceitáveis” no jogo contra a Rússia, em Marselha, e manifestou preocupação em relação aos preparativos do próximo encontro no Euro 2016. “Consideramos que o dispositivo de assistentes posto em prática era inaceitável”, disse o presidente da FA, Greg Dyke, numa carta dirigida à UEFA a que a AFP teve acesso.

A FA referia-se ao facto de adeptos ingleses terem sido atacados por fãs russos no estádio Velodrome, no qual foi visível a utilização de fumos e tochas, artefactos interditos pela UEFA.

Dyke acrescentou que, apesar das precauções adicionais, tem “sérias preocupações sobre o dispositivo de segurança” que está a ser preparado para Lille, onde os adeptos ingleses se vão reunir antes do jogo da próxima quinta-feira com o País de Gales, na cidade vizinha de Lens.

“Estas preocupações são agravadas pelo facto de a Rússia jogar em Lille na quarta-feira”, explicou o dirigente. Dyke sugeriu que responsáveis da polícia de Lille e Lens se reúnam “o mais rápido possível para garantir que haverá um plano coordenado e eficaz”.

No sábado, à margem do jogo Inglaterra-Rússia (1-1), confrontos entre adeptos ingleses, russos e franceses e com a polícia provocaram 35 feridos, quatro dos quais em estado grave. Dos muitos detidos, nenhum dos quais russo, alguns foram hoje condenados a penas de prisão efetiva.

A UEFA ameaçou a Inglaterra e a Rússia de exclusão do Euro 2016, caso se repetiam atos de violência.