Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, afirmou que ser um candidato independente significa “gerir os interesses da cidade”, procurando ter uma “relação de proximidade com aqueles que estão no poder”.

Numa entrevista à Renascença o autarca relembrou que, durante a última campanha eleitoral e durante os primeiros meses de governação, o acusaram “de estar nas mãos do CDS”. “São as mesmas pessoas que agora dizem que eu estou nas mãos do PS”. O presidente da câmara do Porto afirmou ainda que essas pessoas são as que o acusaram de “fazer favores e fretes ao Dr. Pedro Passos Coelho” quando foi celebrado o acordo do Porto “a três ou quatro meses das eleições legislativas”.

Rui Moreira afirmou ainda, durante a entrevista, que a composição da lista dos seus apoiantes nas próximas eleições será feita por si, à semelhança do que aconteceu anteriormente.

O autarca atacou também a TAP e a centralização da companhia aérea na capital. “Quem viaja do Porto não tem obrigatoriamente que, ao querer usar a companhia de bandeira em que é acionista [TAP], querer viajar por Lisboa”. E confessou mesmo: “Eu não o faço, eu prefiro viajar por Madrid, confesso”.

Moreira expressou ainda o seu desejo de receber o Papa Francisco no Porto em 2017, quando está prevista uma visita do Sumo Pontífice a Portugal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR