Mantendo o já conhecido V6 3,0 litros turbodiesel, ao invés do novíssimo V8 4,0 litros a diesel com dois turbos estreado no SQ7, o próximo SQ5 deixará, contudo, de lado, a actual tecnologia twin-turbo, para adoptar um sistema de turbo e compressor eléctrico. Este último tem por missão anular o tradicional hiato na entrada em acção do turbocompressor, apoiado no inovador sistema eléctrico de 48V desenvolvido pela Audi. Esta tecnologia foi estreada pela marca dos quatro anéis no topo de gama SQ7, com resultados comprovados em termos de resposta e eficácia no aproveitamento da enorme capacidade do V8 biturbo que lhe está na base.

Tal como acontece no maior dos SUV de Ingolstadt, também o futuro SQ5 contará com o Audi Valvelift System, sistema de gere o funcionamento das válvulas em função da pressão no acelerador e velocidade da viatura, melhorando o aproveitamento do binário e reduzindo o consumo.

O director de desenvolvimento da Audi, Oliver Hoffman, em declarações à Autocar, antecipou que motor do novo SQ5 tem o potencial de atingir 389 cv, embora por questões de facilidade de condução deva surgir limitado a 362 cv. O que não deixa de ser um acréscimo de 20 cv face àquilo que o actual V6 já disponibiliza, com 700 Nm de binário.

Utilizando a mesma plataforma MLB do grupo VW, para veículos de tracção dianteira ou integral, que serve de base à restante gama Q5, e anunciando uma redução de peso a rondar os 100 kg, devido à utilização de materiais ultra-leves, o futuro SQ5 só deverá chegar ao mercado durante o próximo ano de 2017.