Tem números à mistura, mas não é a dificuldade das contas que o vai deixar de cabeça perdida. É o que vem a seguir, que parece mais ser um truque de magia ou de leitura da mente. As instruções são simples: aqui em baixo vamos expor algumas operações matemáticas – todas elas somas – que deve resolver. Nunca pode passar para a conta seguinte sem resolver a que está acima. E não se tem de preocupar em decorar resultados ou em apontá-los. Está pronto? Pode começar.

15 + 6

2 + 56

89 + 2

12 + 53

75 + 26

25 + 52

63 + 32

Cansado de números? É compreensível. Fazer contas de cabeça pode ser uma tarefa árdua. Estamos mesmo quase a acabar. Só mesmo uma última pergunta.

123 + 5

Gora seja rápido! Muito rápido. Pense numa cor e num objeto. O primeiro que lhe vier à cabeça, não perca tempo em refletir.

Muito bem. Agora percorra esta página até ao fundo para descobrir onde está a verdadeira magia deste exercício.

Bem-vindo, de novo. Pensou num martelo vermelho, não foi? Impressionante, nós sabemos: é que 98% das pessoas pensa no mesmo. Basicamente significa que, se tomarmos Portugal como amostra, haverá cerca de 10.130.260 (cerca de 10,1 milhões de pessoas) a lembrar-se de um martelo de cor vermelha assim que terminam de fazer estas contas e são obrigadas a pensar depressa.

O truque só é possível quando alguém fica em “sobrecarga cognitiva”, um fenómeno científico que, quando associado a uma abstenção de estímulos externos, tendencialmente obriga o cérebro a pensar na cor vermelha e num martelo. Essa sobrecarga é provocada, neste caso, pelas contas matemáticas que o exercício nos leva a resolver. A partir do momento em que esforçamos as capacidades cognitivas, os nossos pensamentos tornam-se mais previsíveis, porque haverá menos neurónios disponíveis para o pensamento criativo.