A vida é feita de imprevistos — até para Bill Gates, dono de uma das maiores fortunas do mundo. O filantropo norte-americano está a doar 100.000 galinhas a vários países com populações em situação de pobreza, mas a oferta não está a ser unanimemente bem recebida. Esta quarta-feira, a Bolívia, um dos países ao qual estaria destinada parte da encomenda, rejeitou o donativo, considerando-o “ofensivo”. A notícia foi avançada pelo jornal Financial Times.

Em declarações aos jornalistas, o ministro César Cocarico, responsável pela terra e pelo desenvolvimento rural, acusou Bill Gates de “não conhecer a realidade da Bolívia e de pensar que estamos a viver 500 anos atrás, no meio da selva e sem saber como produzir”. E acrescentou: “Respeitosamente, [Bill Gates] deveria parar de falar sobre a Bolívia e, quando aprender mais [sobre o país], deveria pedir desculpa.”

A iniciativa de Bill Gates, fundador da Microsoft, foi anunciada no início deste mês e tem por nome “Coop Dreams”. Está a ser levada a cabo em parceria com a Heifer International, uma instituição de caridade que tem como missão combater a fome no mundo. O objetivo da iniciativa passa por distribuir as 100.000 galinhas por diversos países considerados pobres, muitos deles na África Subsariana, escreve o Financial Times. A Bolívia, na América Latina, seria um dos países abrangidos pela iniciativa, segundo as agências noticiosas.

Bill Gates é fundador da Microsoft e um dos homens mais ricos do mundo. TOBIAS SCHWARZ/AFP/Getty Images

Mas porquê galinhas? Num artigo publicado no seu blogue pessoal, Bill Gates escreve: “Para mim, é claro que qualquer pessoa em situação de pobreza extrema vive melhor se tiver galinhas. Na verdade, se eu fosse elas, era o que faria — iria criar galinhas.” De forma mais detalhada, o filantropo explica que se trata de uma ave cuja criação é “fácil e barata”, tratando-se de “um bom investimento” que “ajuda as crianças a permanecerem saudáveis”. Por fim, é também uma forma de ajudar as mulheres pois, para Bill Gates, as “que vendem galinhas estão mais suscetíveis a reinvestir os lucros nas suas famílias”.

Para explicar a rejeição, o jornal Financial Times recorda que desde a tomada de posse do presidente esquerdista Evo Morales, cerca de uma década atrás, a economia boliviana triplicou em tamanho e mais de 2.6 milhões de pessoas subiram à classe média — em 2013, o país registava cerca de dez milhões de habitantes. O jornal refere ainda que o PIB per capita da Bolívia cresceu de 1.200 dólares (cerca de 1.000 euros) em 2006 para 3.119 dólares (cerca de 2.700 euros) em 2015. Apesar disso, o país continua entre os mais pobres da América Latina.