Dois médicos e uma farmacêutica foram detidos, esta quinta-feira, pela Polícia Judiciária, na zona centro do País por burla qualificada ao Serviço Nacional de Saúde (SNS). Numa nota enviada às redações pela PJ, lê-se que os médicos, de 45 e 57 anos, e a farmacêutica, de 36, são suspeitos de “crimes de falsificação de documento agravada e burla qualificada”.

O esquema envolvia a “emissão de receitas médicas fictícias referentes a medicamentos, a fim de que a taxa de comparticipação paga pelo Estado revertesse para os suspeitos“. Foram feitas dez buscas em vários locais, das quais resultou a apreensão de “diverso material relacionado com a prática da atividade criminosa”.

Esta prática lesou o Serviço Nacional de Saúde em perto de um milhão de euros, acrescenta ainda a PJ.

Segundo a PJ, a investigação foi feita em colaboração com o ministério da Saúde. Os detidos serão interrogados pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Tomar.