Sábado, 7 de maio. O Crystal Palace recebia o Stoke City no Selhurst Park, Londres. As coisas até correram bem para a equipa da casa, que venceu por 2-1, com um bis de Dwight Gayle. O pior foi a lesão de um galês, um tal de Joe Ledley. O médio entrou ao intervalo, mas saiu passados dez minutos. Partiu a perna.

A um mês do Europeu muitos terão pensado que seria impensável Ledley estar em França. Chris Coleman, o selecionador galês, até atrasou durante quatro horas o anúncio da convocatória dos 29 jogadores que iam fazer um estágio em Portugal, à espera do resultado dos exames de Joe Ledley.

Mas o jogador da barba é um homem de barba rija. E recuperou. Ou seja, dia 7 de maio partiu a perna, dia 16 de junho começou de início contra a Inglaterra (foi substituído aos 68′). A estreia no Euro-2016 até foi contra a Eslováquia, na primeira jornada do Grupo B: competiu 21 minutos.

“Sem o Sean, penso que não estaria aqui”, escreveu o jogador do Crystal Palace na sua conta no Twitter. “Estou numa das melhores formas da minha vida. Estive numa câmara de oxigénio, levantei-me às seis da manhã e não chegava antes das quatro ou cinco [da tarde] durante semanas”, explicou, aqui citado pela BBC.

O Sean é Sean Connolly, um homem de 45 anos, que jogou em clubes humildes como Hallam FC, Stockport County, Wolverhampton, Tranmere Rovers e Rushden. Foi uma carreira sem grandes voos, entre 1991 e 2005. Talvez a sua maior conquista na vida desportiva aconteceu este mês, enquanto fisioterapeuta e responsável pelo gabinete da Federação Galesa de Futebol.

“Joe Ledley voltou a jogar cinco semanas depois de fraturar o perónio!!! Grande homem e trabalhou tanto para estar aqui!!!”, escreveu na sua conta do Twitter, usando a mesma fotografia em cima.

Na estreia de Ledley (64 internacionalizações) como titular da seleção no Euro, o País de Gales perdeu contra a Inglaterra e soma três pontos, continuando assim em boa posição para seguir para os “oitavos”. É importante referir que esta é também a primeira participação de Gales num Campeonato da Europa, depois de ter entrado em três Mundiais.