A pequena unidade hoteleira que discriminava a entrada a gays e lésbicas — tal como de adeptos de futebol –, em Afife, Viana do Castelo, foi obrigada a retirar o aviso do site. A polémica estalou no início deste mês, quando o Diário de Notícias deu a notícia, após uma cliente ter denunciado a situação ao jornal.

Uma cliente que estava prestes a fazer a reserva na Casa D’João Enes descobriu na página a seguinte mensagem: “Caso se encontre numa das quatro situações abaixo indicadas, queira fazer o favor de não prosseguir com a sua reserva, sob pena de ser vedada a admissão às nossas instalações: adeptos de futebol; frequentadores/adeptos de festivais de música de verão; gays e lésbicas; consumidores de estupefacientes e quaisquer substâncias psicotrópicas.”

Segundo o Diário de Notícias, a ASAE instaurou um processo de contraordenação à casa. Poderá ser aplicada ao hotel uma coima que varia consoante o tipo de propriedade. Se for de pessoa singular, a coima pode variar entre os 125 e os 3.250 euros. No caso de ser de pessoa coletiva, os valores serão maiores: entre 1.250 e 32.500 euros.

O proprietário do hotel, Paulo Bandeira, tinha dito ao DN que é “dono do estabelecimento”. “Sou eu que defino quem é o cliente que quero, e quem quero excluir e incluir. Se quero altos ou magros, gordos ou baixos”, disse ao jornal. Agora, já fez saber: “vamos fazer um comunicado mas não o enviamos ao Diário de Notícias de certeza”.