A venda de imóveis no centro histórico de Lisboa aumentou cerca de 80% entre 2008 e 2015, o que corresponde a um crescimento de 443 para 2.199 transações, segundo dados da Confidencial Imobiliário.

Dos 2.199 imóveis vendidos em 2015, resultou um montante total de cerca de 709 milhões de euros (708.501.130,78 euros), quatro vezes superior ao investimento de quase 161 milhões de euros (160.895.080,22 euros) verificado em 2008, com a transação de 443 imóveis.

Os dados apurados pela Confidencial Imobiliário correspondem à análise de 25 bairros do centro histórico de Lisboa, localizados nas freguesias da Misericórdia, Santa Maria Maior e São Vicente, com informação sobre a venda, quer de prédios, quer de frações.

Em declarações à agência Lusa, o diretor da Confidencial Imobiliário, Ricardo Guimarães, disse que o crescimento de transações no centro lisboeta “é um pouco o reflexo de o mercado de reabilitação urbana ter passado a ser bastante atrativo para os investidores”, após uma falência da anterior dinâmica imobiliária assente na construção nova e muito orientada para as periferias.

De acordo com Ricardo Guimarães, a aposta na reabilitação urbana no centro histórico foi, inicialmente, “um refúgio dos investidores”, que consideravam que seria um investimento de menor risco.

“Entretanto, houve um crescimento muito grande da dinâmica turística nos centros urbanos”, referiu, afirmando que “o alojamento local tem uma predominância grande no ritmo de investimento e de reabilitação”.

A dinâmica de crescimento no centro histórico é superior a outras zonas da cidade de Lisboa, uma vez que a base de partida no núcleo central estava em baixa: “A atratividade era muito reduzida antes de toda esta orientação do mercado para a reabilitação e para o turismo”.

Segundo Ricardo Guimarães, o centro de Lisboa era “um território abandonado e desocupado”.

Entre 2008 e 2015 assistiu-se a uma inversão desse cenário com a venda de imóveis para fins turísticos, atividades comerciais e habitação.

O ano de 2013 é apontado como início da inversão, em que os indicadores de venda de imóveis deixam de cair para começarem a subir ligeiramente, informou o responsável, referindo que, nesse ano, foram registadas 1.340 transações no centro de Lisboa, num total de 291 milhões de euros (291.337.412,45 euros).

Para o diretor da Confidencial Imobiliário, “2014 e 2015 foram anos de concretização de um potencial que se vinha a adivinhar, mas que mais recentemente foi materializado”.

Em termos de indicadores, 2015 foi o ano em que se observou o máximo de atividade na venda de imóveis.

Em 2015, o preço médio por metro quadrado no centro histórico encontrava-se entre 3.500 e 4.000 euros.

Atualmente, “o grande comprador é o operador português, o pequeno investidor português, na perspetiva de alojamento local”, declarou Ricardo Guimarães, reforçando que a procura por parte de investidores estrangeiros continua a estar presente, principalmente os franceses.

A Confidencial Imobiliário é uma revista independente, especializada na produção e difusão de indicadores de análise do mercado imobiliário, detendo índices e bases de dados sobre investimento e sobre os mercados de compra e venda e de arrendamento de fogos, com detalhe à freguesia.