Um dos bombeiros desaparecidos em serviço no combate às chamas do World Trade Center, em 11 de setembro de 2001 em Nova Iorque, teve esta sexta-feira o seu funeral, quase 15 anos depois do seu desaparecimento.

O corpo nunca foi encontrado, por isso nunca foi realizado um funeral oficial. A família de Lawrence Stack, que teria hoje 58 anos, organizou só agora funeral depois de ter recuperado duas amostras de sangue do bombeiro, que ele deu para ser dador de medula óssea.

O funeral realizou-se em Long Island, em Nova Iorque, e teve a presença de centenas de bombeiros, do presidente da Câmara Nova Iorque, Bill de Blasio, e do chefe dos bombeiros de Nova Iorque, Daniel Nigro.

“Ele sobreviveu ao colapso da torre sul e continuou a ajudar corajosamente outros. Estava a ajudar um cidadão quando foi destruída a torre norte, matando os dois”, disse Nigro no discurso de homenagem. O casaco do bombeiro de Nova Iorque foi encontrado no local, mas sem vestígios do corpo.

Os atentados de 11 de setembro, organizados pela Al-Qaida, fizeram quase três mil mortos, mas só 1.637 das vítimas foram encontradas e identificadas.

Dos bombeiros que tentaram ajudar na tragédia, 343 morreram e 127 nunca chegaram a ser encontrados.