Celebridades

Leonardo DiCaprio forçado a testemunhar em tribunal

O ator terá de comparecer em tribunal por ter participado enquanto produtor no filme "O Lobo de Wall Street". Em causa está um processo judicial assente em difamação.

O filme de Martin Scorsese foi o mais pirateado em 2014.

FilmMagic

Leonardo DiCaprio vai ter de comparecer em tribunal para testemunhar a propósito de uma ação judicial que envolve o filme O Lobo de Wall Street, de 2013, realizado por Martin Scorsese.

O processo é encabeçado por Andrew Greene, ex-executivo da Stratton Oakmont, que argumenta que uma personagem secundária, apresentada no filme como sendo “criminosa” e “degenerada”, é baseada nele.

Em causa está a personagem Nicky “Rugrat” Koskoff, interpretada pelo ator PJ Byrne. Por esse motivo, Greene está a processar as produtoras envolvidas na longa-metragem, Paramout Pictures incluída, por 15 milhões de dólares, cerca de 13 milhões de euros.

Escreve o britânico The Guardian que os advogados de Greene andam há algum tempo a tentar garantir o testemunho de DiCaprio, este que se tem manifestado “demasiado ocupado”. A propósito disso, os réus já tinham argumentado que os depoimentos do realizador Martin Scorsese e do guionista Terence Winter eram suficientes. No entanto, a participação do ator enquanto produtor do filme fez com que o juiz Steven Locke exigisse o seu testemunho.

De referir que o queixoso começou por pedir uma indemnização de 50 milhões de dólares (44,5 milhões de euros) às respetivas produtoras, alegando que o filme danificou a sua reputação. O juiz em questão rejeitou as alegações de difamação, mas permitiu que Greene prosseguisse com um processo judicial na base de “intenção maliciosa”.

O filme O Lobo de Wall Street, que foi o mais pirateado em 2014, tendo mais de 30 milhões de descarregamentos ilegais na internet entre 1 de janeiro e 23 de dezembro desse ano, é baseado no livro de memórias do corretor Jordan Belfort, responsável por uma série de fraudes de seguro em Wall Street, entre outros crimes de corrupção, na década de 1990.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)