Esta morte deve ser “imediatamente esclarecida”, sublinhou Angela Merkel, após um encontro com dirigentes de estados regionais em Berlim. A chanceler frisou igualmente que não liga, nesta fase, o assassínio ao referendo sobre a saída do Reino Unido da EU (‘Brexit’), marcado para quinta-feira (23 de junho).

A dirigente alemã qualificou a morte da deputada Jo Cox como “dramática”. “Os nossos pensamentos estão com as pessoas que foram atingidas” pela morte da eleita britânica, acrescentou.

A deputada, de 41 anos, mãe de duas crianças, foi baleada em plena rua numa cidade da sua circunscrição do Norte de Inglaterra, na quinta-feira, provocando choque e emoção. A morte determinou a suspensão imediata da campanha do referendo, que não deverá ser retomada antes do fim de semana.

O assassino terá gritado “Grã-Bretanha primeiro” ou “Reino Unido em primeiro lugar”, o que leva os media a interrogarem-se sobre a sua motivação, com alguns a porem em causa o tom agressivo da campanha.