Cinema

Piper é a nova personagem da Pixar

Trata-se do protagonista da curta metragem que vai ser projectada em sala antes do filme “À Procura de Dory”, a sequela de "À Procura de Nemo" que se estreia em Portugal a 23 de junho.

Piper é a personagem da nova curta-metragem da Pixar

Pixar

Autor
  • Rita Neves Costa
Mais sobre

O regresso de Dory e Nemo, os inseparáveis peixes amigos, traz uma nova personagem. O nome é Piper, uma pequena ave de praia, que tenta fazer-se valer no mundo dos adultos: tornar-se autónoma e independente e encontrar alimento sem a ajuda da mãe. Piper não entra no filme “À Procura de Dory”, mas antecede-o com uma curta-metragem realizada por Alan Barillaro. A jornada da pequena ave já está a conquistar muitos internautas, depois de a Pixar ter revelado o teaser de 24 segundos — a curta tem seis minutos.

[Veja aqui o teaser de “Piper”]

A história desenrola-se numa praia, um dos sítios que o realizador tomou como inspiração. A construção da identidade de Piper tornava-se familiar a cada passeio à beira mar e foi precisamente esta proximidade que prendeu a Pixar para a realização de uma curta-metragem de seis minutos. O processo de crescimento das aves foi estudado com detalhe: desde as visitas recorrentes à beira-mar até ao estudo das migrações da própria espécie, a realidade foi esmiuçada ao pormenor.

À Vanity Fair, Alan Barillaro afirma que até as conchas na praia captaram a atenção: “Nós não recolhemos as conchas, mas eu definitivamente tirei-lhes uma fotografia”, disse o realizador, que fez parte da pesquisa acompanhado pelos filhos. O trabalho de campo foi essencial para as imagens realistas da curta-metragem. As linhas pormenorizadas das personagens e dos objetos e a focagem da câmara tinham como objetivo “colocar o espetador num documentário sobre a Natureza”, à maneira do National Geographic.

Tal como noutros títulos da Pixar — por exemplo “Wall-E” ou outra curtas que por tradição a Pixar inclui antes do arranque dos seus filmes — também “Piper” não tem diálogo. Piper é uma pequena ave de praia que é forçada a desenrascar-se no meio de “gente grande”, com a devida orientação da mãe que não a sufoca com cuidados em demasia, nem com um afastamento exagerado. O realizador disse ao USA Today que a “mãe [de Piper] é o pai que desejava ser – estar presente para os filhos, mas dar-lhes espaço para crescer”.

Ao longo do caminho, a pequena ave faz alguns amigos, no entanto também lhe estão reservados alguns perigos. Algo que não agradou aos filhos de Barillaro, mas que se revelou necessário para mostrar a força de vontade da personagem face aos obstáculos.

A curta-metragem “Piper” é apontada como uma possível nomeada para a próxima edição dos Óscares. O realizador afirmou à Vanity Fair não estar focado nos prémios, mas sim nas próximas férias que não passam pela praia.

Quanto a “À Procura de Dory”, recupera a ideia do primeiro filme, em que Nemo estava perdido e precisava regressar a casa. Aqui é Dory (a quem Ellen DeGeneres dá voz na versão original), um peixe com alguns (bastantes) problemas de memória, que quer reencontrar a família, apesar de não se lembrar de nada.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Editado por Tiago Pereira
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)