A gestão da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) vai custar 4, 5 milhões de euros já em 2017 aos seis municípios servidos pela empresa. O governo irá contribuir com um máximo de 1,4 milhões de euros para o arranque da municipalização da empresa transportadora.

Os municípios que vão ter de cobrir maior parte do défice de exploração da transportadora estatal são: Porto, Gaia, Matosinhos, Gondomar, Maia e Valongo.

Ao todo, em sete anos, a STCP vai necessitar de mais de 50,7 milhões de euros de financiamento – 16,14 milhões para o défice de exploração e 34,56 para pagar as amortizações e os juros de empréstimo para a renovação da frota, informa o Jornal de Notícias na edição impressa, esta manhã. Ao todo, no melhor cenário previsto, os municípios terão de contribuir com 37,5 milhões de euros, de acordo com o estudo a que aquele jornal do Porto teve acesso.

O financiamento à STCP por parte dos municípios deve começar a ser feito a a partir de 1 de janeiro de 2017. As indemnizações dos municípios à transportadora deverão ser pagas de acordo com a distribuição da rede. O Porto representa 54% do serviço da operadora e Matosinhos e Gaia representam, cada um, 12%. 10% do serviço da operadora concentra-se na Maia, 7% em Gondomar e 5% em Valongo.