O ex-presidente da câmara de Londres e líder não oficial do campo do ‘Brexit’, o conservador Boris Johnson, disse este domingo que o sistema migratório do Reino Unido está “fora de controlo”.

A quatro dias do referendo sobre a continuação ou não do país na União Europeia, Johnson considerou que um Reino Unido fora do bloco recuperará o controlo das suas fronteiras.

O político conservador falava num encontro em Londres, no recomeço da campanha para o referendo que esteve suspensa durante três dias devido ao assassínio na quinta-feira da deputada trabalhista pró-europeia Jo Cox, de 41 anos.

Johnson disse ser “pró imigração” e declarou-se a favor de uma “amnistia” para os imigrantes ilegais que estão há mais de 12 anos no Reino Unido “e que não podem contribuir para esta economia, não podem pagar impostos e não podem integrar-se adequadamente”.

Essa amnistia seria a opção “economicamente racional” e “humana” e implicaria “retomar o controlo de um sistema que, de momento, está completamente fora de controlo”, considerou.

“Não sou apenas pró-imigração, sou também pró-imigrantes”, adiantou.

Johnson defendeu um sistema semelhante ao da Austrália, baseado numa pontuação relativa à qualificação de cada imigrante, “para neutralizar os extremismos”.

A imigração e a economia são os dois temas mais controversos do debate sobre o referendo da próxima quinta-feira.