O papa Francisco convidou hoje a “encontrar, acolher e ouvir” os refugiados, numa mensagem após a oração de Angelus proferida a partir da janela do apartamento pontifício, na Praça de São Pedro.

Francisco recordou que na segunda-feira se celebra o Dia Mundial do Refugiado, promovido pelas Nações Unidas sob o lema “Estamos com os refugiados”, e afirmou que “são pessoas como todas as que a guerra tirou a casa, o trabalho, a família e os amigos”.

“As suas histórias e rostos convidam-nos a renovar o compromisso de construir paz e justiça”, sublinhou.

Por isso, acrescentou, “queremos estar com eles: encontrá-los, acolhê-los, escutá-los e convertermo-nos com eles em construtores da paz, segundo a vontade de Deus”.

O papa tem-se mostrado sensível à crise de refugiados na Europa, tendo chegado a qualificá-la como a “pior catástrofe humanitária desde a II Guerra Mundial”.

Além das suas visitas a dois lugares símbolos do drama da imigração na Europa – as ilhas de Lampedusa, em Itália, e de Lesbos, na Grécia -, Francisco realizou gestos mais concretos como alojar famílias sírias no Vaticano.

Além disso, outros nove sírios, entre os quais dois cristãos, que se encontravam em Lesbos chegaram a Roma na sexta-feira por iniciativa do papa.

Este grupo soma-se aos 12 que viajaram com o pontífice após a sua visita, no dia 16 de abril, a Lesbos e cujo alojamento e programa de integração estão a cargo da associação humanitária católica Comunidade de Sant’Egídio.