Saúde

Equipamentos de saúde em Lisboa e investigação recebem 60 milhões até 2020

O presidente da CCDR-LVT anunciou que a área da Saúde vai receber, em Lisboa, um investimento de 60 milhões de euros em investigação, equipamentos e educação, segundo um programa conjunto já aprovado.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente da CCDR-LVT anunciou esta segunda-feira que a área da Saúde vai receber, em Lisboa, um investimento de 60 milhões de euros em investigação, equipamentos e educação, segundo um programa conjunto já aprovado, a realizar até 2020.

“Construímos um programa conjunto e espero que seja defendido por todos. Este programa são 60 milhões de euros de investimento até 2020 em Lisboa na área da Saúde dividido em três componentes”: investigação, equipamentos e simuladores de intervenções cirúrgicas, disse João Manuel Pereira Teixeira.

O plano foi delineado juntando à mesma mesa os reitores das duas universidades de Lisboa, os presidentes das duas faculdades de medicina, os responsáveis da Administração Regional de Saúde (ARS), os presidentes dos principais hospitais e também das principais unidades de investigação nesta área.

De acordo com o responsável, recebeu “há quatro ou cinco semanas” uma resposta dos ministérios da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da Saúde a este plano de investimentos, com o realce de que o Governo “tem a contrapartida nacional necessária para os investimentos”.

“Estão em curso de publicação e espero ter os anúncios publicados esta semana ou na próxima”, adiantou.

Segundo o plano de investimentos, a área da investigação receberá 10 milhões de euros e serão investidos 6 milhões de euros em simuladores de intervenções cirúrgicas para as universidades.

No entanto, o grosso do investimento, no valor de 45 milhões de euros, referem-se à aquisição de novos equipamentos, “essencialmente vocacionados para a área do cancro e para a área da degenerescência dos tecidos”, explicou o responsável, salientando que muitos destes equipamentos “não existem na Área Metropolitana de Lisboa (AML), nem no resto da região e alguns dos quais não existem no país”.

João Manuel Pereira Teixeira falava esta segunda-feira na Conferência “Da mobilidade à acessibilidade — Os transportes nas cidades portuguesas em 2030”, que se realiza no Instituto Superior Técnico (IST).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Europa

Falta de confiança  /premium

Manuel Villaverde Cabral

Por todo o lado são cada vez mais os eleitores que se abstêm ou que se viram para os «populistas» que tudo prometem e, até agora, não conseguem mais do que piorar as coisas, aumentando a instabilidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)