Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Lee Kaplan, de 51 anos, foi detido pela polícia de Lower Southampton, na Pensilvânia, Estados Unidos, por viver com doze raparigas na sua casa de Feasterville. O homem foi detido por suspeitas de abuso sexual e outros crimes, de acordo com a agência Associated Press (AP).

A rapariga mais velha tem 18 anos e a mais nova seis meses. A jovem alega ter dois filhos do homem, com três anos e seis meses, e disse que tinha sido “um presente” dos pais a Lee Kaplan quando tinha 14 anos. A “oferta” terá acontecido em 2012. Os pais da rapariga, da qual se desconhece o nome, Daniel Stoltzfus de 43 anos, e a mulher Savilla Stoltzfus, de 42 anos, pertencem à comunidade amish da Pensilvânia e dizem que a filha foi “um presente”, porque o homem os ajudou a salvar a quinta numa altura em que tinham problemas financeiros, refere o Daily Mail.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os três foram presos na passada quinta-feira após uma denúncia de Jen Betz, uma vizinha de Lee Kaplan que há muito desconfiava da relação do homem com as raparigas: “Alguma coisa não batia certo”.

“Elas estavam sempre tão tristes e assustadas quando as via. Foi isso que me fez telefonar” para a polícia, disse Jen Betz, de acordo com a agência AP.
As raparigas não frequentam a escola e não se sabe se alguma vez foram ao médico. Segundo as informações divulgadas pela polícia, não apresentam traumas visíveis, nem sinais evidentes de maus tratos físicos.

As autoridades ainda estão a tentar identificar as restantes raparigas e perceber em que circunstâncias e o porquê de viverem na casa com o homem. O casal amish alegou que as outras nove meninas também eram suas filhas, mas Daniel e Savilla Stoltzfus não possuem quaisquer documentos que o provem. As raparigas estão agora sob os cuidados de assistentes sociais.

Lee Kaplan enfrenta acusações por violação de menores e atentado grave ao pudor. E Daniel e Savilla Stoltzfus vão ser acusados de negligência e por colocarem em risco a vida de menores. Os três estão detidos sob fiança de um milhão de dólares.